Macri pede que empresários denunciem corrupção em governo caso detectem

Presidente da Argentina marcou como seu "grande desafio" terminar com "os comportamentos mafiosos"

Buenos Aires – O presidente da Argentina, Mauricio Macri, pediu nesta quinta-feira aos titulares das principais empresas do país que denunciem “comportamentos mafiosos” e corrupção no seu governo caso tenham conhecimento.

“Não tenho pensado hipotecar meu governo nem o futuro dos argentinos para defender ninguém que atue fora da lei, e se algum dos senhores, e quero ser bem claro, receber um pedido indevido, têm aqui um presidente a quem comparecer e uma equipe de governo à qual denunciá-lo”, disse Macri ao inaugurar o encontro anual da Associação Empresária Argentina (AEA).

Com o objetivo de integrar o país no mundo “de forma inteligente”, resolvendo “os problemas internos de produtividade”, o chefe de Estado marcou como seu “grande desafio” terminar com “os comportamentos mafiosos”.

“Os senhores têm que ajudar denunciando-os, e controlar os gastos públicos que também têm que denunciar para poder gerar emprego privado de qualidade, que é o principal objetivo que temos que ter como país”, acrescentou o presidente.

Macri também se referiu à situação econômica do país, marcada pela forte volatilidade que desvalorizou o peso argentino em mais de 60% neste ano e a alta inflação que continua sendo registrada.

“Não ter equilíbro fiscal e não ter um sistema financeiro potente nos faz depender do financiamento externo, e isso significa que vamos estar expostos a volatilidades como as que o mundo está vivendo”, afirmou.

“Compartilho as preocupações e as dúvidas do momento, mas também é importante não perder o foco diante de tantos previsões catastróficas, como dizer que o país futuro, porque sim, nós temos”, concluiu Macri, para dar como exemplo o desenvolvimento energético que está acontecendo na Argentina.