Lugo denuncia “golpe de Estado expresso” no Paraguai

Presidente paraguaio também advertiu que existem indícios "claros" de que o pré-candidato presidencial do Partido Colorado, Horacio Cartes, está por trás desse processo

Caracas – O presidente do Paraguai, Fernando Lugo, denunciou nesta quinta-feira que enfrenta um “golpe de Estado expresso” em seu país, onde o Congresso acordou iniciar um “julgamento político” que, segundo o líder, “não tem nenhum argumento válido”.

Lugo declarou à cadeia internacional Telesur, com sede em Caracas, que está sendo vítima de “um golpe de Estado expresso, porque o fizeram entre a noite e a madrugada”.

“Nós dizemos que é até anticonstitucional, porque não se respeita o devido processo”, acrescentou o governante, antes de confirmar que às 12h (horário local) comparecerá ao Legislativo.

Lugo indicou que “se uniram hoje (quinta-feira) as forças mais conservadoras do país para pedir o julgamento político sem nenhum argumento válido”.

O presidente disse esperar que nesta sexta-feira “reine a racionalidade” entre os parlamentares e ele possa sair “arejado deste julgamento político injusto”.

Lugo também advertiu que existem indícios “claros” de que o pré-candidato presidencial do Partido Colorado, Horacio Cartes, está por trás desse processo. Segundo ele, Cartes “sabe que sua candidatura não está crescendo” e estaria usando a tática de eliminar seus concorrentes.

O governante também assinalou como responsáveis pela crise os que “não desejam a mudança no Paraguai e os que acham que é preciso eliminar este processo democrático iniciado em 2008”.

A Câmara dos Deputados do Paraguai promoveu nesta quinta-feira, em apenas cinco horas e por arrasadora maioria, um ‘julgamento político’, no que o Senado se constituiu em ‘tribunal’ e fixou um calendário de processo que terminará nesta sexta-feira, às 16h30 locais (17h30 de Brasília), com a sentença de Lugo.

Durante a tarde, os cinco deputados designados como ‘promotores’ expuseram suas razões para a destituição do presidente, citando entre elas os 17 mortos durante o choque armado entre policiais e camponeses na fazenda de Curuguaty, no último dia 15.

Um ato político de seus aliados esquerdistas em uma instalação militar em maio de 2009, a onda de insegurança no Paraguai e o apoio à aprovação do Protocolo de Ushuaia foram os outros fundamentos para pedir a saída do presidente.


Uma delegação de oito chanceleres da União de Nações Sul-Americanas (Unasul) viajou a Assunção para se reunir com Lugo.

O secretário-geral da Unasul, Alí Rodríguez, informou que a delegação de chanceleres do bloco se reunirá com diferentes representantes políticos em busca de uma ‘saída’ à crise.

Em entrevista coletiva após o encontro dos chanceleres com Lugo, em sua residência, Rodríguez destacou que “o que ocorrer no Paraguai não se limitará às fronteiras paraguaias, afetando o conjunto da Unasul”.

Rodríguez evitou responder se a Unasul reconhecerá o vice-presidente Federico Franco como líder paraguaio se Lugo for destituído no “julgamento político” desta sexta-feira.

A preocupação da Unasul, disse, é “o exercício legítimo da democracia” e, dentro dela, “a reta administração da Justiça”, para o que é ‘indispensável que se respeite o devido processo, o que compreende o tempo necessário para que o acusado possa exercer seu direito à defesa”.