Londres quer discutir saída definitiva da Rússia do G8

Governo britânico crê que expulsão do país deve ser discutida durante a reunião em Haia, na próxima semana, com os demais países do grupo

O governo britânico acredita que a expulsão da Rússia do G8 deve ser discutida durante a reunião que será realizada na próxima segunda-feira, em Haia, com os demais países do grupo, declarou nesta quarta-feira o primeiro-ministro David Cameron.

“Acredito que temos de discutir se expulsaremos, ou não, permanentemente a Rússia do G8, caso ela tome mais medidas” que promovam uma escalada na Ucrânia, disse Cameron no Parlamento.

O G8 – os sete países mais industrializados do mundo e a Rússia – é integrado por Estados Unidos, Canadá, França, Alemanha, Itália, Reino Unido e Japão.

“Apoio firmemente a reunião dos países do G7 na segunda-feira. É importante que nos movamos na mesma direção que nossos aliados e sócios”, explicou.

Segundo Downing Street, Cameron conversou por telefone sobre a Ucrânia com a chanceler alemã, Angela Merkel. Ambos concordaram que a “União Europeia deve tomar outras medidas contra a Rússia”, além das já anunciadas.

O presidente russo, Vladimir Putin, assinou na terça-feira o tratado que incorpora a província ucraniana da Crimeia à Rússia, ignorando as ameaças ocidentais.

A Ucrânia e as potências ocidentais condenaram o tratado, assinado ao término de um discurso patriótico, no qual Putin afirmou que a península sempre foi considerada parte da pátria russa.