Londres não fará ação militar antes de investigação da ONU

Uma porta-voz de Downing Street confirmou que essa votação "não acontecerá antes que os inspetores da ONU consigam fazer seu relatório"

O Reino Unido não vai lançar uma ação militar na Síria até que tenha conhecimento dos resultados apresentados pelos especialistas da ONU que investigam no local um suposto ataque com armas químicas, segundo uma moção do governo que deve ser submetida nesta quinta-feira ao voto do Parlamento.

“O secretário-geral da ONU deve poder comparecer diante do Conselho de Segurança imediatamente após o fim da missão da equipe”, indica o texto, acrescentando que “o Conselho de Segurança das Nações Unidas deve ter a oportunidade de receber esse esclarecimento e todos os esforços devem ser feitos para obter uma resolução do Conselho de Segurança apoiando uma ação militar antes que uma ação como essa seja lançada”.

“Antes de qualquer envolvimento britânico direto em uma ação como esta, uma outra votação será realizada na Câmara dos Comuns”, indica a moção.

Uma porta-voz de Downing Street confirmou à AFP que essa votação “não acontecerá antes que os inspetores da ONU consigam fazer seu relatório”.

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, afirmou nesta quarta-feira que os especialistas precisam de quatro dias para concluir seu trabalho no local. “Em seguida, os especialistas deverão fazer análises científicas. Depois, nós deveremos fazer um relatório ao Conselho de Segurança para que atue da forma que julgar necessário”, disse.

A moção que será submetida na quinta-feira ao Parlamento britânico “lamenta o uso de armas químicas na Síria, no dia 21 de agosto de 2013, pelo regime de (Bashar al-) Assad, que causou centenas de mortes e deixou milhares de feridos entre os civis sírios”.

Ela “considera que uma forte resposta humanitária é necessária por parte da comunidade internacional e que isso pode, se necessário, requerer uma ação militar que seja legal, proporcional e destinada a salvar vidas, impedindo e dissuadindo o uso de armas químicas na Síria”, ressaltando que essa prática é um “crime de guerra e um crime contra a Humanidade”.