Liga Árabe defende envio de tropas de paz à Síria

A declaração acontece após forças do governo sírio renovarem os ataques contra a revolta popular

Nicósia – Para acabar com a violência na Síria a comunidade internacional deveria utilizar forças de paz em vez da enfraquecida missão de monitoramento da Organização das Nações Unidas (ONU), afirmou nesta segunda-feira o secretário-geral da Liga Árabe, Nabil Elaraby. A declaração acontece após forças do governo sírio renovarem os ataques contra a revolta popular, bombardeando, na manhã desta segunda-feira, redutos rebeldes nas cidades de Homs e Damasco.

Elaraby disse que é já hora de trocar o mandato da ONU e iniciar um novo tipo de missão. “Eu quero dizer uma força de paz, não uma força militar”, afirmou Elaraby em uma visita ao Chipre. “Quando existem dois lados que recorrem à violência não dá para haver alguém apenas observando, a não ser que ambos aceitem um acordo. Por isso é necessário alguém que possa impor um cessar-fogo.”

Os observadores da ONU na Síria têm a missão de supervisionar o cessar-fogo que deveria ter começado em 12 de abril, mas que não chegou a ser respeitado.

Missões de paz variam de acordo com suas obrigações, mas, de forma geral, diferem de missões de monitoramento pois são armadas e possuem a prerrogativa de forçar um cessar-fogo, ao invés de meramente observar se está sendo cumprido ou não.

No entanto, o apelo da Liga Árabe deve sofrer a oposição dos aliados da Síria no Conselho de Segurança da ONU, China e Rússia. Os dois países já protegeram Damasco de sanções, apesar da matança que ocorre no país.

As informações são da Associated Press e da Dow Jones.