União Europeia finalmente chega a um acordo sobre crise migratória

Os líderes da UE aceitaram ajudar os países que se encontram nas fronteiras do continente, através da redistribuição de parte dos imigrantes resgatados

São Paulo – Após nove horas de negociações, os líderes da União Europeia aceitaram ajudar os países que se encontram nas fronteiras do continente, sobretudo a Itália, através da redistribuição de parte dos imigrantes resgatados no Mediterrâneo – desde que eles sejam detidos.

Em paralelo, a UE disse que vai criar centros de recepção nos países do norte da África, onde a maioria dos imigrantes resgatados no mar seria enviada de volta. Os centros, chamados de “plataformas de desembarque”, serão administrados em conjunto com agências das Nações Unidas, que vão garantir a segurança deles enquanto aguardam a repatriação ou o reassentamento para os países europeus.

O esforço visa reduzir o fluxo de imigrantes no continente, que tem impulsionado o surgimento e fortalecimento de partidos populistas, sobretudo na Alemanha, em que a chanceler Angela Merkel tem sofrido forte pressão.

“A Itália não está mais sozinha”, disse o primeiro-ministro italiano Giuseppe Conte ao fim da reunião. O presidente da França, Emmanuel Macron, que desempenho papel fundamental na mediação do acordo, disse que o pacto foi um marco importante.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. A política europeia de abrir as fronteiras e receber a todos é certamente uma mostra grandiosa de altruísmo para com os refugiados vindos do Oriente Médio e África, mas economicamente trouxe impacto enorme às nações europeias. Na hora de botar na ponta do lápis a conta não fechou. O dinheiro ainda é a mola mestra no mundo e sua escassez fala muito alto. A defesa dos interesses nacionais, bem como da segurança de suas populações também falou mais alto, e assim deve ser. Os frutos do trabalho dos cidadãos europeus e as riquezas geradas devem ser primeiramente distribuídas para os nacionais, caso haja condições excedentes, aí sim, poder-se-ão ajudar os estrangeiros. A Europa não suportou o preço a ser pago.