Líder das Avós de Praça de Maio chama Videla de desprezível

Estela de Carlotto disse que a morte do ex-ditador argentino Jorge Rafael Videla nesta sexta-feira a tranquiliza

Buenos Aires – A líder das Avós de Praça de Maio, Estela de Carlotto, disse que a morte de um “ser desprezível” como o ex-ditador argentino Jorge Rafael Videla, morto nesta sexta-feira aos 87 anos, a tranquiliza.

“Há homens bons e homens maus. Esse era um homem mau”, disse a representante da fundação dedicada a buscar aos filhos apropriados dos desaparecidos durante a ditadura (1976-1983).

No ano passado, um tribunal condenou o ex-ditador a 50 anos de prisão pelo plano sistemático de roubo de bebês filhos de perseguidos e desaparecidos durante a ditadura.

“Fico tranquila que um ser desprezível tenha deixado este mundo”, disse Estela em declaração a veículos de imprensa locais, lembrando que Videla, que permanecia preso em uma penitenciária da cidade de Marcos Paz na província de Buenos Aires condenado a prisão perpétua por crimes de lesa-humanidade, “nunca se arrependeu e reivindicou (a autoria) de todos os seus crimes”.

Por sua vez, o secretário de Direitos Humanos da Argentina, Martín Fresneda, disse que “o Estado argentino não pode comemorar a morte de ninguém”, mas sim “concordar” com que houve “justiça e não vingança, e Videla se vai desta terra como uma das pessoas que foram responsáveis pelos principais horrores que o povo argentino viveu”.

“É importante que tenha tido morte natural e em uma prisão comum”, disse Fresneda em declarações ao canal “C5N”, da TV argentina.