Líbia recupera corpos de 62 imigrantes que estavam em naufrágio

Mais de 130 migrantes de diversos locais da África, que tentavam chegar à Europa, foram resgatadas desde quinta-feira

A Líbia informou nesta sexta-feira, 26, ter recuperado os corpos de 62 imigrantes, após um naufrágio, na véspera, perto de Khoms, cidade situada 120 quilômetros a oeste de Trípoli, na pior tragédia registrada no Mar Mediterrâneo este ano, segundo a ONU.

A Agência de Imigração na capital da Líbia disse que até 350 migrantes estavam a bordo dos barcos que se aproximaram da cidade de Khoms, a cerca de 120 quilômetros a leste de Trípoli.

Os migrantes eram da Eritreia, Egito, Sudão e Líbia, segundo a agência. Autoridades líbias disseram que mais de 130 foram resgatadas desde quinta-feira.

Um dos sobreviventes, da Eritreia, disse que a embarcação começou a virar após de uma hora de navegação. A maioria dos migrantes a bordo eram mulheres, ele disse, e a maioria deles se afogou.

“Todos eles (que se afogaram) eram mulheres … apenas duas garotas se salvaram”, disse ele, sob condição de anonimato por temer por sua segurança.

Dois outros sobreviventes, alocados em uma instalação de desembarque em Trípoli, disseram à Associated Press que cada um pagou entre US $ 200 e US $ 400 a contrabandistas que prometeram chegar às costas da Itália ao pôr do sol na quinta-feira.

Ahmed al-Tayeb, de 32 anos, do Sudão, disse que estava em uma das três embarcações que naufragaram uma hora depois de partir da Líbia na noite de quarta-feira.

O egípcio Mustafa Mahmoud, de 26 anos, disse que os pescadores líbios foram os primeiros a resgatá-los. “Eu vi muitos corpos, dezenas, na água”, disse ele. “A maioria era de crianças e mulheres que não sabiam nadar.”

Pelo menos uma dúzia de sobreviventes foi levada para um hospital em Khoms, enquanto os demais foram transferidos para diferentes centros de detenção, incluindo Tajoura.

O centro de detenção de Tajoura foi atingido por um ataque aéreo em 3 de julho que matou mais de 50 pessoas e levantou novas preocupações sobre o tratamento dos migrantes na Líbia. A agência de refugiados da ONU exigiu que o centro seja fechado, mas isso não aconteceu.

“Isso está colocando intencionalmente a vida dessas pessoas em risco”, disse Vincent Cochetel, enviado especial do ACNUR para o Mediterrâneo Central.

A agência de migração da ONU disse hoje que, uma vez que chegaram, os 84 migrantes foram retirados do centro de detenção e, em vez disso, foram “liberados gradualmente” para a cidade de Tajoura.

A Anistia Internacional pediu sexta-feira aos líderes da UE para “mostrar alguma coragem” e reverter sua decisão de suspender os resgates de migrantes no Mediterrâneo. “As pessoas ainda arriscam suas vidas para vir para a Europa”, disse Massimo Moratti, da Anistia.

Nos últimos anos, a União Europeia associou-se à Líbia para impedir que os migrantes façam a perigosa viagem marítima para a Europa. Grupos de direitos humanos dizem que esses esforços deixaram os migrantes à mercê de grupos armados brutais ou confinados em centros de detenção, sem acesso à comida e água limpa.

A UE divulgou um comunicado nesta sexta dizendo estar profundamente entristecida com a tragédia na costa da Líbia e acrescentou que “soluções sustentáveis para busca e salvamento são urgentemente necessárias no Mediterrâneo”.

No entanto, também disse que “o atual sistema da Líbia de gerenciar a migração irregular e deter arbitrariamente refugiados e migrantes tem que acabar”.