Liberação do 3G reacende polêmica da internet no Irã

Um dos mais respeitados aiatolás xiitas, Nasser Makarem Shirazi, advertiu que a alta velocidade de conexão no celular é 'anti-islâmica' e 'viola as normas morais e humanas'

Teerã – Radicais e moderados no Irã voltam a se enfrentar por conta da internet, desta vez pelo fato do governo de Hassan Rohani autorizar a tecnologia móvel 3G e 4G LTE, que os mais conservadores consideram uma ameaça à moral islâmica.

O anúncio da aprovação da terceira e quarta gerações de internet para as duas maiores companhias do país obrigou o ministro de Comunicações e Tecnologia da Informação, Mahmoud Vaezi, a comparecer ao Parlamento para dar explicações aos deputados insatisfeitos.

Além disso, ouviu as severas críticas de um dos mais respeitados aiatolás xiitas, Nasser Makarem Shirazi, que advertiu que a alta velocidade de conexão no celular é ‘anti-islâmica’ e ‘viola as normas morais e humanas’.

O Executivo não ficou para trás. O próprio presidente do país abordou a polêmica na televisão pública (‘IRINN’).

‘Hoje em dia, nos conectamos com o mundo da ciência pela internet. Se uma pessoa não tem conhecimento de internet e não o usa não pode se considerar nem professor nem estudante’.

Até agora a velocidade de navegação das grandes operadoras de celular – como as duas autorizadas, Irancell e Hamrah Aval – servia apenas para baixar e-mails com lentidão e ver alguns sites com poucas imagens. Apenas uma pequena companhia, a Rightel, já oferecia o 3G com poucos assinantes, problemas de cobertura e sem serviço fora das grandes cidades.

Com a nova banda larga os iranianos poderão baixar vídeos, transferir dados de voz e usar redes sociais, muitas delas – como Facebook e Twitter – vetadas no país, mas facilmente acessíveis com programas antifiltros (VPN, proxy).

O acesso a novos conteúdos, muitos elaborados fora dos severos padrões de moralidade da República Islâmica, gera temor nos mais conservadores convencidos da necessidade (e a possibilidade) de controlar a sociedade restringindo o acesso a produtos culturais estrangeiros.

Nasser Makarem Shirazi, que tem o título de ‘fonte de emulação’, o nível mais alto na hierarquia religiosa xiita, explicou em seu site, em resposta às perguntas dos fiéis, que a maior velocidade ‘permitirá o acesso de jovens e adolescentes a temas, filmes e fotos infectadas e contrárias à moralidade e crenças islâmicas’. O grande aiatolá sentenciou que ‘os serviços de 3G e similares são contrários à sharia (lei islâmica) e às normas morais e humanas’.

Para ele, o governo não deve levar em conta somente o contexto econômico ou considerar unicamente ‘a liberdade científica’. É preciso prevenir as ‘consequências negativas’ do livre acesso a conteúdos.

No entanto, o grande aiatolá declarou à agência ‘Mehr’ que tinha sido mal interpretado.

‘O uso da tecnologia é imperativo para os muçulmanos que tinham movimentos científicos e revolucionários quando os europeus ainda estavam na Idade Média. Contudo, a tecnologia do Ocidente é como a água suja e revoltosa. É fonte de vida, mas tem que ser purificada antes do povo usar’, garantiu.

A posição de alguns deputados não é muito diferente. Nasrollah Pejman Far, membro da Comissão Cultural do parlamento, advertiu sobre ‘falta de justificativa cultural’ para o aumento da velocidade de navegação e assinalou que a câmara ‘advertiu ao ministro da Comunicação que, de acordo com a lei, não é possível aumentar a banda larga no país enquanto não for estabelecida a Rede Nacional de Internet do Irã’.

Ele garantiu que Mahmoud Vaezi terá que enfrentar uma moção de censura se continuar com suas intenções. A ameaça não parece superficial se for levado em conta que, recentemente, o ministro da Ciência se viu forçado a deixar o governo após perder a confiança da Câmara em um voto similar.

Muitos iranianos, entre eles grande parte dos jovens, estão no lado oposto.

‘A internet que tenho agora é lentíssima e não funciona nunca. É preciso encontrar uma solução. O fato é que eles não podem fechar as nossas portas, a única coisa que conseguem fazer é que nós percamos tempo porque temos que esperar horas para carregar uma página, mas todo o mundo tem internet e antifiltros. Além do mais, quem quer fazer algo ruim não precisa de internet’, declara à Efe Shahar Puya, de 28 anos, que mora e trabalha como vendedor em Teerã. EFE