Le Pen exige que França feche os portos para embarcações humanitárias

Declaração aconteceu após a ebarcação Aquarius solicitar um porto seguro para desembarcar aos 141 imigrantes resgatados na sexta-feira no Mediterrâneo

Paris – A presidente do partido ultradireitista francês Agrupamento Nacional, Marine Le Pen, exigiu nesta segunda-feira que a França feche o território a embarcações humanitárias como o Aquarius, que solicitou um porto seguro para desembarcar aos 141 imigrantes resgatados na sexta-feira no Mediterrâneo.

“O Estado deve enviar o sinal de firmeza necessário e fechar nossos portos a esses navios de imigrantes!”, indicou em sua conta do Twitter.

Le Pen se pronunciou em resposta ao presidente do porto de Sète, Jean-Claude Gayssot, que hoje disse à emissora local “France Bleu Hérault” que sua instalação, no sudeste do país, se oferece para receber o Aquarius se obtiver a sinal verde das autoridades francesas.

“Não corresponde ao comunista Jean-Claude Gayssot, presidente do porto de Sète, decidir nossa política migratória acolhendo o Aquarius”, acrescentou Le Pen na mensagem.

O Governo francês não se pronunciou, mas tem se apoiado recentemente no direito marítimo internacional, que em questões de salvamento estipula que as embarcações devem se dirigir ao porto mais próximo e seguro, o que no caso dos procedentes do litoral líbio são os da Itália e Malta.

Por enquanto, ambos países rejeitaram amparar a embarcação, e o Governo espanhol manifestou que, desta vez, a Espanha não é “o porto mais seguro” porque não é “o mais próximo segundo o estabelecido no Direito Internacional”.

A ONG SOS Méditerranée, que opera o Aquarius junto com os Médicos Sem Fronteiras, afirmou hoje que, embora a situação a bordo seja estável e haja comida e provisões médicos para seguir no Mediterrâneo durante duas semanas, necessita de uma resposta em nível europeu.