Kuczynski e o desafio de reativar a economia do Peru

O ex-banqueiro de Wall Street já anunciou um grande investimentos nas escolas públicas do país e a ampliação da cobertura de água potável

Em seus 77 anos, Pedro Pablo Kuczynski, o presidente do Peru a partir desta quinta-feira, não quer perder tempo para implementar sua “revolução social”.

O ex-banqueiro de Wall Street já anunciou um grande investimentos nas escolas públicas do país e a ampliação da cobertura de água potável para os peruanos, um dos males dos setores mais pobres.

Também anunciou viagens pelo país para promover o desenvolvimento, estreitar os laços com seu vizinho Chile e uma visita à China para reforçar o intercâmbio comercial com o tigre asiático.

Este economista liberal venceu a eleição 7 de junho pela estreita margem de 40.000 votos Keiko Fujimori, filha de Alberto Fujimori, que governou o Peru entre 1990 e 2000 e hoje está preso por crimes contra a humanidade e de corrupção.

Ministro de Minas e Energia no segundo governo de Fernando Belaúnde na década de 1980 e depois de Economia e primeiro-ministro do ex-presidente Alejandro Toledo (2001-2006), PKK, o acrônimo pelo qual é conhecido pelos seus compatriotas, terá que usar sua experiência para reativar a economia e enfrentar a crise de insegurança que amedronta os cidadãos.

Nascido em Lima em 1938 de pai alemão e mãe franco-suíça, “El Gringo” como é chamado por seu sotaque estrangeiro, tem trabalhado duro para melhorar sua imagem de homem distante dos setores pobres e para cumprir as promessas de campanha.

Com uma equipe de tecnocratas com ampla experiência em governos anteriores, ele prometeu uma “revolução social” em um país marcado pelas desigualdades e pelos altos índices de pobreza (22% da população).

Primo do diretor de cinema Jean-Luc Godard, sua vida foi de certa forma um filme: acompanhou seu progenitor em trabalhadores sociais na selva peruana e foi educado no Reino Unido, na Suíça e nos Estados Unidos.

“Com meu pai aprendi muitas coisas, entre elas a igualdade”, diz o filho de um médico que fugiu da Alemanha de Hitler na Segunda Guerra Mundial, e que viajou pelo Peru fazendo trabalho social.

Sua esposa Nancy, americana, é prima da atriz Jessica Lange. Como primeira-dama, anunciou que seu trabalho se concentrará nas crianças.

As traças do palácio de governo

Amante da boa mesa, com humor mordaz e reputado músico – concertista de flauta transversa do Royal College of Music – há alguns dias anunciou que não vai se mudar para a Casa Pizarro – o palácio do governo -, por causa das traças e da necessidade de uma profunda restauração, preferindo permanecer em sua casa no bairro residencial de San Isidro de Lima.

Além da logística, nas próximas semanas ele terá que demonstrar a flexibilidade de seu jogo de cintura político para lidar com a questão de Alberto Fujimori.

Fujimori, que governou o Peru com mão de ferro durante uma década e que há dez foi condenado à prisão por crimes contra a humanidade e corrupção acaba de solicitar um indulto.

“Se o atual presidente (Ollanta Humala) não concedeu, é altamente improvável que eu dê”, disse o vencedor da eleição contra Keiko Fujimori, que desde sua derrota tem preferido a discrição.

Este fiel seguidor do livre mercado, que teve que renunciar à sua nacionalidade norte-americana para chegar ao poder, planeja reduzir impostos para reativar uma economia tradicionalmente exportadora e criar três milhões de empregos com investimentos públicos e privados.

Também espera cumprir a promessa de levar água potável a aproximadamente 10 milhões de peruanos que ainda não contam com esse serviço.

“Eu não sou político, sou um economista que quer fazer algo por seu país”, disse.