Justiça dos EUA divulga acordo de delação de Chuck Blazer

Ex-dirigente se comprometeu a revelar tudo o que sabia, entregar documentos, delatar parceiros, fazer trabalhos secretos e ainda devolver US$ 2 milhões

Nova York – A Justiça dos Estados Unidos divulgou nesta segunda-feira o acordo de cooperação que o cartola Chuck Blazer, norte-americano que fez parte do Comitê Executivo da Fifa e foi secretário-geral da Concacaf (Confederação de Futebol da América do Norte e Central e do Caribe), assinou em 2013.

O texto mostra que o ex-dirigente se comprometeu a revelar tudo o que sabia, entregar documentos, delatar parceiros, fazer trabalhos secretos e ainda devolver US$ 2 milhões referentes a propinas que recebeu pela venda irregular de ingressos para as Copas do Mundo realizadas entre 1994 e 2002 e outros delitos.

O acordo, de 19 páginas, foi revelado depois que nove veículos de comunicação dos Estados Unidos, incluindo o The New York Times, entraram na Justiça com pedido para sua divulgação.

O juiz que cuida do caso, Raymond Dearie, revelou em um documento divulgado junto com o acordo nesta segunda que o governo dos EUA foi contra a publicação do material, alegando que poderia comprometer o andamento das investigações da corrupção no futebol, que continuam sendo feitas, e colocar em risco a própria segurança de Blazer.

O juiz, porém, discordou destes argumentos e pediu a publicação. O acordo saiu praticamente sem edição, apenas com algumas assinaturas encobertas com tinta preta.

Além dos US$ 2 milhões, Blazer se comprometeu a pagar uma quantia adicional que ainda seria definida pela Justiça no momento da assinatura.

No mesmo acordo, o cartola se comprometeu a não revelar o que sabia a terceiros, a menos que a Justiça liberasse, e a “colaborar totalmente” com as investigações, inclusive com a entrega de documentos, delação de parceiros e ainda fazendo trabalho secretos a pedido da Justiça para revelar novos réus.

Fontes da Justiça dos EUA disseram ao jornal norte-americano que essa colaboração incluía a gravação de conversas de Blazer com dirigentes da Fifa e de outras organizações do futebol.

Ao assinar o acordo e se mostrar disposto a cooperar, Blazer se livrou de uma sentença de prisão que poderia chegar a 70 anos, no caso da pena máxima.

O cartola se declarou culpado de dez acusações, que incluíram corrupção no futebol, extorsão, transferência irregular de pagamentos e evasão de divisas.

Ele reconheceu, por exemplo, que aceitou propinas, por volta de 1992, na escolha do país-sede da Copa de 1998, realizada na França.

Blazer também reconheceu irregularidades, de acordo com o documento, na venda de ingressos para as Copas do Mundo realizadas entre 1994 e 2002.

Também confirmou o recebimento de propinas referentes às edições da Copa Ouro (organizada pela Concacaf) realizadas entre 1996 e 2003. Só a pena para o caso de extorsão pode chegar a 20 anos, ressalta o documento.

No início do mês, o juiz Raymond Dearie determinou a divulgação da transcrição, com detalhes editados, do depoimento de Blazer em novembro de 2013.

No depoimento, dado em segredo de Justiça, ele revela o recebimento de suborno para as escolhas da França e da África do Sul como sedes das Copas de 1998 e 2010, respectivamente.