Justiça argentina arquiva denúncias contra Maradona

O processo foi aberto após a denúncia da ONG ''Salvemos o Futebol'' para que fossem investigados Maradona, técnico da seleção argentina na época, e Bilardo

Buenos Aires – A Justiça argentina arquivou nesta quarta-feira denúnciaa contra Diego Maradona e Carlos Bilardo pela suposta entrega de ingressos a membros das ”barras bravas” (torcedores violentos) para um jogo das Eliminatórias da Copa do Mundo de 2010.

O processo foi aberto após a denúncia da ONG ”Salvemos o Futebol” para que fossem investigados Maradona, técnico da seleção argentina na época, e Bilardo, diretor técnico de seleções, por terem retirado cerca de 400 entradas da Associação de Futebol Argentina (AFA).

Segundo a denúncia, arquivada nesta quarta pelo juiz federal Sebastián Ramos, as entradas foram supostamente entregues a chefes das ”barras bravas” de Boca Juniors e Estudiantes para que entrassem no estádio para assistir a Argentina e Venezuela, pelas Eliminatórias da última Copa.

A ”Salvemos o Futebol” denunciou que o Subsecretariado de Segurança em Espetáculos Futebolísticos (SUBSEF) ”teria omitido o exercício do direito de admissão”, o que facilitou a entrada de ambos no estádio do River Plate, local do confronto, mesmo já tendo sido condenados, inclusive por homicídio”.

Um juiz de primeira instância havia desprezado a denúncia ao entender que ”não existiu omissão do SUBSEF quanto ao direito de ingressar o estádio, quando nunca foi solicitada sua colaboração pela AFA”.

Sobre os torcedores violentos, disse que ”se nada tiver acontecido como diz quem fez a denúncia, não se adverte conduta alguma que mereça reprovação quanto ao âmbito penal”.

Para os juízes, se existir distribuição de ingressos aos barras bravas ”não haveria contribuição à formação destes grupos, mas benefício a quem já faz parte do grupo existente”.