Justiça americana não deve processar Armstrong

"Já tomamos uma decisão neste caso há pouco mais de uma ano", declarou o promotor numa coletiva de imprensa

Washington – O promotor Andre Birote, responsável por um inquérito federal contra o ex-ciclista Lance Armstrong, declarou nesta terça-feira que a Justiça americana não deve processar o atleta, que confessou, recentemente, ter se dopado, em entrevista à apresentadora de TV Oprah Winfrey.

Birote não descartou a possibilidade de levar o caso adiante, mas explicou que as confissões não mudam muita coisa.

“Já tomamos uma decisão neste caso há pouco mais de uma ano”, declarou o promotor numa coletiva de imprensa realizada nesta terça-feira na capital Washington.

Armstrong poderia ser processado por perjúria, pelo fato de ter mentido a agentes federais durante o inquérito.

“Estamos cientes das recentes declarações de Armstrong, mas isso não mudou a minha opinião sobre este caso”, justificou Birote.

Após ter negado o ocorrido durante anos, inclusive diante de agentes federais, o ex-ciclista de 41 anos confessou ter se dopado durante toda sua carreira na entrevista a Oprah, que foi ao ar no dia 17 de janeiro.

Essas confissões levantaram várias questões jurídicas. Além de correr o risco de ser processado por perjúria, Armstrong poderá ser levado a reembolsar prêmios das suas vitórias e valores recebidos por meio de patrocínios.

Em outubro de 2012, o americano teve suas sete títulos na Volta da França (1999-2005) cassados e foi banido para sempre do esporte por ter participado de acordo com a Agência Americana Antidoping (Usada) do “esquema de doping mais sofisticado da história”.