Julgamento de Mursi é adiado para amanhã

O tribunal do Egito decidiu fixar para esta quarta uma nova sessão para tomar depoimento dos responsáveis de segurança no julgamento de Mohamed Mursi

Cairo – O tribunal do Egito, que julga o presidente deposto Mohamed Mursi por seu envolvimento na morte de manifestantes em dezembro de 2012, decidiu fixar para esta quarta-feira uma nova sessão para tomar depoimento dos responsáveis de segurança.

Hoje, na quarta sessão do julgamento, no qual também são processados 14 dirigentes da Irmandade Muçulmana, o juiz Hassan Sabri Youssef pediu o comparecimento amanhã de três altos comandantes da Guarda Republicana, testemunhas de acusação, informaram à Agência Efe fontes judiciais.

O Tribunal Penal do Cairo ordenou, além disso, que um comitê de especialistas em radiodifusão apresente um relatório em 1 de março sobre as imagens filmadas dos incidentes de que Mursi é acusado.

As imagens dos enfrentamentos entre partidários e opositores de Mursi em frente ao palácio presidencial de Al Itihadiya foram apresentadas pela Procuradoria Geral como provas condenatórias.

Junto ao presidente deposto, estão sendo processados o vice-presidente do Partido Liberdade e Justiça (PLJ) – braço político da Irmandade – Essam el-Erian, e o membro de seu Executivo Mohamed Beltagy.

Mursi, deposto por um golpe de Estado em 3 de julho de 2013, foi transferido de helicóptero da prisão de Burj Al-Arab, no nordeste do Egito, à Academia da Polícia, nos arredores do Cairo, onde acontece o julgamento. Os demais acusados chegaram à sessão, que foi muito breve, em veículos blindados da penitenciária de Tora.

A audiência aconteceu com tranquilidade, embora perante o temor dos protestos convocados pelos islamitas, a Academia da Polícia esteve rodeada por um amplo desdobramento de forças de segurança.

A Irmandade Muçulmana qualificou o processo de “farsa” realizada pela “justiça golpista”, em alusão a fato dos magistrados supostamente defenderem as novas autoridades e o golpe militar do julho do ano passado.

Mursi enfrenta outros processos por fugir de uma prisão durante a revolução de janeiro de 2011, que derrubou o presidente Hosni Mubarak, por entregar informação confidencial a países e organizações estrangeiras, como o movimento islamita palestino Hamas, e por insultar o judiciário.