Jovens marroquinos pedem democracia em paz no Marrocos

Manifestação reuniu cerca de 1.000 pessoas em Rabat

Rabat – Quase mil jovens do Movimento 20 de Fevereiro participaram de uma manifestação pacífica neste domingo em Rabat exigindo mudanças políticas profundas no Marrocos, depois que as autoridades marroquinas decidiram não reprimir o movimento.

Os manifestantes pediram reformas políticas e denunciaram a morte de um jovem islâmico do Movimento na quinta-feira passada em Safi, a 350 km de Casablanca.

“Reprimir uma manifestação pacífica nunca foi uma solução. Creio que as últimas declarações da União Europeia (UE) desempenharam um papel na decisão das autoridades de evitar a violência”, declarou à AFP Mohamed Lâaouni, presidente do Comitê de Apoio ao Movimento 20 de Fevereiro.

Segundo uma autoridade do Ministério do Interior, contatado por telefone, “600 pessoas participaram desta manifestação e a polícia não interveio”. Os manifestantes indicaram, por sua vez, “milhares” de participantes.

“Estou satisfeita, já que desta vez não houve violência. As autoridades devem ter constatado que estamos determinados a reivindicar pacificamente uma verdadeira democracia”, declarou Salma Mâaruf, de 22 anos, integrante do Movimento.

Estas manifestações são realizadas 10 dias antes da entrega por parte de uma comissão consultiva nomeada em março pelo rei Mohammed VI de uma série de propostas para uma reforma constitucional.

No dia 9 de março, o rei anunciou importantes reformas constitucionais que preveem o princípio da separação de poderes e um reforço nas funções do primeiro-ministro.