Jornalista que simulou sua morte usou sangue de porco em maquiagem

Encenação do assassinato foi feita pelo jornalista russo em cooperação com autoridades da Ucrânia. Autor dos disparos foi detido

São Paulo – Para simular a morte do jornalista russo Arkadi Babchenko, agentes secretos ucranianos usaram sangue de porco para parecer que era o dele, fizeram disparos em sua camiseta e até o levaram ao necrotério. Ele foi dado como morto na noite de terça-feira, mas reapareceu no dia seguinte em entrevista coletiva em Kiev, capital da Ucrânia.

Um dos mais conhecidos jornalistas russos e um duro crítico do Kremlin, Babchenko, de 41 anos, deixou a Rússia em fevereiro de 2017 por causa de ameaças de morte. Um mês atrás, oficiais da Ucrânia o procuraram para avisar que havia um complô para assassiná-lo. O jornalista topou, então, fazer a encenação para descobrir quem estaria por trás da sua morte. O autor foi detido.