Jordânia concede asilo político a piloto sírio desertor

"O gabinete de ministros decidiu conceder asilo político ao piloto, o coronel Hassan Meri al-Hamadé, a seu pedido", declarou Maayatah

Amã – A Jordânia concedeu asilo político nesta quinta-feira ao piloto de caça sírio que desertou, pousando sua aeronave esta manhã no norte do país, informou à AFP o porta-voz do Governo, Samih Maayatah.

“O gabinete de ministros decidiu conceder asilo político ao piloto, o coronel Hassan Meri al-Hamadé, a seu pedido”, declarou Maayatah.

O governo sírio reagiu logo depois, acusando Hamadé de ser um “traidor”, afirmou o Ministério sírio da Defesa, que exigiu a restituição da aeronave militar com a qual o desertor fugiu para a Jordânia.

“O piloto é considerado um desertor e um traidor da nação e de sua honra militar. Ele será punido com base nas regras militares em vigor”, indicou o ministério, citado pela televisão oficial.

Esta é a primeira deserção de um piloto de caça a bordo de seu avião desde o início da revolta contra o regime do presidente Bashar al-Assad, em março de 2011.

O Exército jordaniano anunciou que o avião, um MiG-21, aterrissou às 10h45 (04h45 de Brasília), “sem problemas em uma base da Força Aérea da Jordânia”.

O Conselho Nacional Sírio (CNS), principal coalizão da oposição, confirmou que se tratava de uma deserção. “A aeronave decolou em alta velocidade e a baixa altitude de um aeroporto militar localizado entre Deraa e Soueida, no sul do país”, explicou George Sabra, porta-voz do CNS.

“Ele fez isso para evitar a detecção por radares”, acrescentou. O piloto é de Deir Ezzor (leste) e sua família é conhecida por sua luta contra o regime.

De acordo com uma autoridade jordaniana que pediu anonimato, o “MiG de fabricação russa da Força Aérea Síria realizou um pouso de emergência na base aérea do rei Hussein em Mafraq”, perto da fronteira síria.

Desde o início da revolta contra o regime de Assad, em março de 2011, milhares de soldados sírios desertaram. Muitos se juntaram ao Exército Sírio Livre (ESL) para combater as tropas do governo, segundo o Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH).

A Jordânia recebeu mais de 120.000 refugiados da Síria, dos quais 20.000 estão registrados na ONU.

Em 15 meses de revolta, as operações de repressão e combates entre o exército regular e os rebeldes fizeram pelo menos 15.000 mortes, em sua maioria civis, segundo o OSDH.