Itália rescinde com gestora de centros de Lampedusa

O governo italiano decidiu rescindir o contrato com a empresa que gerenciava os centros de acolhimento de imigrantes na ilha de Lampedusa

Bruxelas – O governo italiano decidiu rescindir o contrato com a empresa que gerenciava os centros de acolhimento de imigrantes na ilha de Lampedusa, após denúncias de aplicação de um “tratamento de desinfecção” aos estrangeiros.

O anúncio foi feito nesta quinta-feira (19) pelo vice-primeiro-ministro e ministro do Interior da Itália, Angelino Alfano. Segundo ele, Roma está analisando a possibilidade de conceder a gestão dos centros à Cruz Vermelha Internacional.

“O Estado e o governo italiano não podem aceitar que existam, em seu próprio território, situações de violação de integridade, de dignidade, de privacidade. Por isso decidimos rescindir o contrato”, disse Alfano.

“É uma decisão dura e radical, temos consciência disso. Mas acreditamos que essa é a única medida para que a opinião pública nacional e internacional saiba que não transgredimos os nosso princípios”.

Na segunda-feira, uma emissora italiana divulgou um vídeo sobre tratamento recebido por imigrantes ilegais nos centros de acolhimento de Lampedusa. As imagens mostram os estrangeiros nus – apesar do frio – e com os braços abertos, sob os olhos de todos, passando por um processo de desinfecção contra a sarna.

A situação já foi comparada no país a campos de concentração nazistas e provocou reações por todos os lados.