Israel propõe para Palestina prorrogar negociação de paz

Liderança palestina analisará a proposta hoje, sob fortes pressões dos EUA para que ambas as partes aceitem continuar negociação além do dia 29 de abril

Ramala (Cisjordânia) – A Organização para a Libertação da Palestina (OLP) recebeu uma proposta formal de Israel para prorrogar as conversas de paz mediadas pelos Estados Unidos, informaram funcionários do governo da Palestina à Agência Efe nesta segunda-feira.

De acordo com as fontes, a liderança palestina analisará a proposta na noite de hoje, sob fortes pressões dos Estados Unidos para que ambas as partes aceitem continuar a negociação além do dia 29 de abril, prazo previamente estabelecido.

O porta-voz da presidência da Autoridade Nacional Palestina (ANP), Nabil Abu Rudeina, afirmou que o presidente, Mahmoud Abbas, havia recebido a proposta israelense na noite de ontem, e que ela já havia sido analisada pelo Conselho Central do Fatah em reunião realizada ontem à noite em Ramala.

Por enquanto, a posição palestina não foi anunciada, mas espera-se que ela seja revelada ao longo do dia – provavelmente no final – segundo a opinião de Mohamad Shteye, membro do Conselho Central do Fatah.

As fontes palestinas acreditam que o atraso para responder se deve, entre outros fatores, às fortes pressões da Casa Branca para que as partes concordem com a proposta de prorrogação, decisão que causaria polêmica entre os palestinos.

Nesse contexto, o secretário de Estado americano, John Kerry, pode ir até a região em breve para tentar mediar pessoalmente e aproximar posturas ainda distantes, segundo informações das fontes.

Shteye disse que o presidente Abbas solicitou aos EUA que pressionem Israel para que seu governo aceite libertar 1.200 presos palestinos, incluindo dirigentes de alto escalão condenados à prisão perpétua, menores de idade e doentes.


Em troca, a ANP se comprometeria a continuar a negociação durante mais um ano, garantiu.

O membro do Comitê Central da OLP, Yasser Abed Rabbo, afirmou à Agência Efe que há uma reunião da liderança palestina prevista para discutir o assunto na noite de hoje, e que depois disso a posição final da Palestina será divulgada por meio de um comunicado.

O escritório do primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, se negou a comentar a proposta e a atual situação da negociação com os palestinos.

O presidente israelense, Shimon Peres, declarou no domingo em Viena que achava que ontem à noite ou durante o dia de hoje haveria avanços nas negociações de paz com os palestinos, e reconheceu que todas as partes estão trabalhando para superar os obstáculos.

Israel tinha previsto libertar 26 presos no sábado, segundo o calendário fixado no início das conversas de paz entre ambas as partes, embora não tenha cumprido o acordo.

O chefe de negociação palestino, Saeb Erekat, disse no último domingo que a OLP estava envolvida em “sérias conversas” com os EUA e com Israel, mas não revelou mais detalhes sobre o assunto.

O acordo, que sustentou o processo de paz iniciado em julho e patrocinado por Washington, estipulava que o Estado judeu libertaria 104 réus, mas apenas 78 deles foram soltos em três momentos ao longo dos oito meses de negociação.

O objetivo do diálogo promovido por Kerry é fechar um acordo inédito que sirva como rota para a negociação e concretização de paz definitiva.