Israel põe EI em lista de “organizações ilegais”

Jihadistas do EI proclamaram no final de junho um califado nas regiões conquistadas nos últimos meses no Iraque e na Síria

Jerusalém – Israel acrescentou nesta quarta-feira dois grupos islamitas, o Estado Islâmico (EI) e as Brigadas Abdullah Azzam, à sua lista de “organizações ilegais” – informou o ministério da Defesa.

“Isto permite a adoção de medidas judiciais contra essas organizações, contra aqueles que as apoiam e financiam”, indica um comunicado do ministério da Defesa, acrescentando que a decisão foi tomada com base em “recomendações dos serviços de segurança” do país.

Os jihadistas do EI proclamaram no final de junho um califado nas regiões conquistadas nos últimos meses no Iraque e na Síria.

Na terça-feira, o grupo extremista postou na internet um vídeo da decapitação de Steven Sotloff, um jornalista americano que também tinha cidadania israelense, segundo a imprensa de Israel.

As Brigadas Abdullah Azzam, filiadas à Al-Qaeda, reivindicam esporadicamente os disparos de foguetes contra Israel a partir do Líbano. Elas também assumiram a responsabilidade por um atentado em Beirute em 2013 contra a embaixada iraniana.