Premiê de Israel visita a Índia entre protestos e oportunidades

ÀS SETE - Visita do premiê é bem vista pelo governo indiano, apesar de a Índia condenar a decisão americana de declarar Jerusalém a capital de Israel

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, vai à Índia no próximo domingo, para uma viagem de quatro dias.

O momento não é o mais propício: a Índia condenou a decisão americana de declarar Jerusalém a capital de Israel, e grupos já declararam protesto à chegada de Netanyahu, com o jornal indiano People’s Democracy tendo dito que ele não era bem-vindo.

Às Sete – um guia rápido para começar seu dia

Leia também estas outras notícias da seção Às Sete e comece o dia bem informado:

Apesar da antipatia, o primeiro-ministro israelense deve ser muito bem recebido pelo governo. No roteiro da viagem, estão programações como uma visita ao Taj Mahal, à antiga morada de Mahatma Gandhi, ao centro judaico Chabad House e até a um evento organizado especialmente para a ocasião chamado Shalom Bollywood, onde estarão grandes personalidades do cinema indiano.

A ideia é buscar aproximação com produtores que se interessassem por filmar em Israel, que sofre frequentes boicotes da indústria cultural.

O pano de fundo, como de costume, são os negócios. Está programado para o dia 17 de janeiro um roadshow que mostrará oportunidades de negócios numa região em torno do aeroporto de Ahmedabad — num roteiro similar ao realizado com o primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, em setembro de 2017.

A imprensa indiana também já fala sobre a Índia reviver um acordo de 500 milhões de dólares para a produção de mísseis israelenses que havia sido cancelado.

Netanyahu levará para a viagem um grupo de 130 empresários de 102 empresas israelenses, além de cerca de 70 milhões de dólares para ampliar a cooperação em áreas como turismo, tecnologia e inovação.

Em julho do ano passado, o primeiro-ministro indiano Narendra Modi tornou-se o primeiro chefe de estado do país a visitar Israel, onde os dois países começaram uma parceria estratégica principalmente nos setores de agricultura e água. As diferenças ideológicas persistem, mas pelo visto, é possível fazer negócios a parte.