Israel derruba duas baterias sírias após novo ataque em Golã

O ataque sírio não causou danos materiais e nem feridos

Jerusalém – Tanques israelenses dispararam nesta segunda-feira contra o território sírio e atingiram duas baterias móveis do exército da Síria, depois que uma bomba procedente desse país caiu próximo a um quartel militar de Israel situado nas Colinas de Golã, ocupadas desde 1967, informaram fontes militares.

O ataque sírio não causou danos materiais e nem feridos, indicaram as mesmas fontes, que assinalaram que, em resposta, os tanques israelenses dispararam em direção ao local de procedência da bomba, alcançando seu alvo.

Essa é a segunda vez que Israel dispara contra território sírio nas últimas horas, já que neste domingo sua artilharia lançou duas salvas de aviso em resposta a outro bombardeio procedente da Síria.

Este incidente, ”relacionado com o conflito interno na Síria”, ocorreu em uma região israelense próxima à fronteira que divide os países desde 1967, segundo o boletim militar, que ressalta que ”os soldados também fizeram disparos de advertência em direção às zonas sírias”.

Além disso, esse é o sexto incidente bélico em uma semana envolvendo Israel por conta da guerra civil que ocorre na Síria desde março de 2011, quando a oposição se levantou para exigir reformas no regime do presidente Bashar al Assad.

No domingo, fontes militares de Israel revelaram que o exército do país apresentou uma queixa perante as forças da ONU que operam na região, às quais foram comunicadas que Israel não tolerará fogo procedente da Síria em seu território e que este ”será respondido com severidade”.


Na mesma linha se pronunciou ontem à noite o ministro da Defesa de Israel, Ehud Barack, que assegurou que deu ordens ao exército ”responder qualquer situação”.

Barack afirmou que Israel está situada em uma área ”dura, violenta, complicada e sangrenta”, mas assegurou que seu Exército tem força para enfrentar futuras batalhas.

Nas últimas semanas, Israel denunciou em pelo menos outras duas ocasiões que disparos efetuados da Síria alcançaram o lado israelense da fronteira, enquanto o governo do primeiro-ministro, Benjamin Netanyahu, enviou várias mensagens de advertência ao regime de Assad.

Israel e Síria estão, teoricamente, em estado de guerra desde o conflito de 1973, embora não tenha ocorrido incidentes armados mais graves entre os países nos últimos anos.