Israel classifica de guerra o conflito de 2014 em Gaza

Operação "Barreira Protetora", executada entre julho e agosto de 2014, havia sido classificada na prática como guerra, mas não na terminologia oficial de Israel

O ministério da defesa israelense informou nesta sexta-feira que Israel reconhece a operação militar de 2014 na Faixa de Gaza como guerra, a oitava de sua história e a primeira contra os palestinos a receber oficialmente esta denominação.

A operação “Barreira Protetora”, executada entre julho e agosto de 2014, havia sido classificada na prática como guerra, mas não na terminologia oficial israelense.

A decisão foi motivada pela duração da operação (50 dias) “e pela perda de 67 de nossos combatentes que pagaram um preço alto em sua luta contra o Hamas e outras organizações terroristas”, afirmou em comunicado nesta quinta-feira o ministro israelense da Defesa Moshé Yaalon.

Desde a criação do Estado de Israel em 1948, foram reconhecidas como guerras outras oito campanhas: a guerra árabe-israelense de 1948 (também conhecida como “guerra da Independência”), a guerra do Canal de Suez (1956), a “guerra dos Seis Dias” (1967), a de 1969-1970 contra o Egito (denominada “guerra de Desgaste”), a “guerra do Yom Kipur” (1973), e a primeira e a segunda do Líbano (1982 e 2006).

O conflito de 2014 foi o primeiro enfrentamento com os palestinos que o exército israelense considera “guerra”, o que não aconteceu nas operações feitas em Gaza entre dezembro de 2008 e janeiro de 2009, nem na operação de novembro de 2012.

A guerra de 2014 entre Israel e o Hamas, que controla a Faixa de Gaza, deixou 2.200 mortos do lado palestino, a maioria civis, segundo as organizações humanitárias, e 73 de lado israelense, entre eles 67 soldados.