Islamitas iniciam novos protestos contra golpe no Egito

Irmandade Muçulmana e outros grupos convocaram uma nova jornada de protestos contra o golpe militar que derrubou Mohamed Mursi

Cairo – Os islamitas egípcios iniciaram nesta sexta-feira uma nova jornada de protestos convocada pela Irmandade Muçulmana e outros grupos contra o golpe militar que derrubou o presidente Mohamed Mursi no último dia 3 de julho.

Segundo o site do partido Liberdade e Justiça (PLJ), o braço político da Irmandade Muçulmana, os manifestantes já se encontram na Praça de Rabea al Adauiya, um reduto islamita situado ao leste do Cairo. Aliás, os islamitas estão acampados no local há duas semanas para defender a legitimidade de Mursi.

Algumas pessoas procedentes de outras províncias do país viajaram até dez horas para fazer parte dos protestos e pedir a restituição do islamita no poder, já que, como afirma o PLJ, ele eleito democraticamente em junho de 2012.

Sob o lema “Juntos contra o golpe militar sangrento”, a chamada Aliança Nacional em Defesa da Legitimidade Eleitoral – encabeçada pela Irmandade Muçulmana – vem organizando diversos protestos no país e convocando os egípcios para fazer parte dos protestos até conseguirem o retorno de Mursi.

A coalizão também rejeitou a recente declaração constitucional emitida pelo presidente interino, Mansur Adli, que estabelece um calendário para a reforma constitucional e as eleições na etapa transitória.

Por sua parte, a frente de Salvação Nacional (FSN), a maior aliança opositora do Egito, pediu a seus seguidores que se manifestem nas proximidades do palácio presidencial de Itihadiya, no leste da capital, e tomem juntos o “iftar”, a comida com a qual os muçulmanos põe fim ao jejum que acompanha o mês do Ramadã, iniciado na última quarta-feira.

O objetivo da reunião é “insistir o desejo de recuperar os objetivos da revolução do dia 25 de janeiro de 2011, baseados na liberdade, na justiça social e na dignidade humana”, segundo um comunicado da frente divulgado hoje pela agência estatal “Mena”.

Previamente, o movimento “Tamarud” (rebelião), organizador de grandes protestos contra Mursi antes do golpe militar, convocou seus seguidores à celebração de um “iftar” em conjunto na Praça Tahrir.