Iraquiano é condenado por bomba no metrô de Londres

Ahmed Hassan foi declarado culpado por ter colocado uma bomba caseira que deixou vários feridos na estação londrina

Um jovem iraquiano solicitante de asilo foi declarado culpado nesta sexta-feira de tentativa de assassinato pela bomba que colocou no metrô de Londres, ferindo 30 pessoas, em setembro de 2017.

Ahmed Hassan, de 18 anos, colocou uma bomba caseira que não chegou a explodir totalmente, mas cujo incêndio provocado feriu várias pessoas quando a composição estava estação londrina de Parsons Green, na hora do rush matinal.

O tribunal de Londres anunciará pena posteriormente.

O acusado, cabisbaixo, não reagiu ao veredicto.

A bomba foi montada para causar o máximo de dano possível, mas explodiu parcialmente. Isso provocou queimaduras nos passageiros e provocou um movimento de pânico na estação, resultando em mais pessoas feridas.

O artefato foi fabricado na casa de acolhimento em que o iraquiano vivia com uma família britânica nos arredores de Londres.

Hassan foi detido no porto de Dover, principal ponto de embarque para a Europa continental, no dia seguinte ao atentado.

No julgamento, o réu afirmou que odiava o Reino Unido desde a morte de seus pais na guerra do Iraque.

“Tenho que odiar o Reino Unido”, afirmou a sua tutora, Katie Cable, da Universidade de Brooklands.

Yusef Habibi, um assistente social da organização Barnardo, deu uma versão levemente distinta do passado do réu, de quem cuidou em sua chegada ao país em 2015.

“Seu pai era taxista. Uma manhã, ao ir trabalhar, uma bomba caiu sobre ele e ele morreu. E sua mãe morreu quando ele era bem jovem. Ele disse que não lembrava de sua mãe”.

Mas, segundo ele, o acusado culpava o exército americano e britânico pela morte de seus pais.