Irã descarta novas pressões dos EUA, em conferência de Segurança

A gestão de Trump disse que estava "em alerta" com o Irã, após um recente teste de míssil, e impôs novas sanções a empresas e indivíduos

Munique – O ministro das Relações Exteriores do Irã descartou, neste domingo, novas pressões dos Estados Unidos, declarando que seu país está “indiferente às ameaças”.

O presidente dos EUA, Donald Trump, criticou repetidamente o acordo nuclear de 2015 entre o Irã, os americanos e cinco outras potências mundiais, sob o qual Teerã concordou em reduzir o enriquecimento de urânio em troca do fim de sanções.

Contudo, ele não disse o que planeja fazer a respeito.

A gestão de Trump disse que estava “em alerta” com o Irã, após um recente teste de míssil, e impôs novas sanções a mais de duas dúzias de empresas e indivíduos iranianos.

“O Irã não responde bem a ameaças”, afirmou o ministro iraniano de Relações Exteriores, Mohammad Javad Zarif, na Conferência de Segurança de Munique, um encontro que conta com diplomatas e oficiais de defesa.

“Não respondemos bem à coerção. Não respondemos bem a sanções, mas respondemos muito bem ao respeito mútuo. Respondemos muito bem a arranjos para chegar a cenários mutuamente aceitáveis”.

“O Irã não se incomoda com as ameaças”, disse ele.

O Irã sempre disse que não tem interesse em armas nucleares, lembrou. Questionado quanto tempo tomaria para produzir uma, caso decidisse ter tais armas, Zarif respondeu: “Não vamos produzir armas nucleares, ponto final. Então vai demorar uma eternidade para que o Irã produza armas nucleares”.