Irã acelera instalação de equipamento nuclear, diz AIEA

Segundo o documento, o Irã instalou cerca de 700 centrífugas IR-2m e materiais para armazenamento de centrífugas vazios na usina de Natanz

Viena – O Irã acelerou a instalação de centrífugas mais modernas em suas instalações de enriquecimento de urânio, uma atividade que gera constantes desgastes com as grandes potências, informou nesta quarta-feira a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA).

Segundo o documento, o Irã instalou cerca de 700 centrífugas IR-2m e materiais para armazenamento de centrífugas vazios na usina de Natanz. Em fevereiro havia apenas 180.

“Até 15 de maio, quatro cascatas (centrífugas em série) foram totalmente equipadas e uma cascata, parcialmente, com centrífugas IR-2m e obras já foram concluídas para 13 outras cascatas (…)”, detalha o relatório consultado pela AFP.

Essas novas centrífugas, que servem para o enriquecimento de urânio, ainda não entraram em produção.

As potências ocidentais e Israel suspeitam que o Irã planeje desenvolver armas atômicas sob o pretexto de um programa nuclear civil, algo que Teerã nega.

Com equipamentos mais modernos, eles temem que o Irã consiga produzir urânio com mais facilidade a um nível de pureza necessário para armas atômicas (90%).

A República Islâmica enriquece urânio de 5 a 20% para suas usinas de produção de energia elétrica e com fins médicos.

Em seu relatório trimestral, a agência da ONU ressalta que o número de centrífugas em atividade no campo subterrâneo de Fordo, perto da cidade sagrada de Qom, permanece o mesmo em comparação a fevereiro.

Fordo, enterrado sob uma montanha, preocupa a comunidade internacional porque o Irã decidiu concentrar neste local seu enriquecimento a 20%, o que tecnicamente o aproxima do necessário para a fabricação de armas nucleares.