Impacto econômico de tsunami será pequeno

Ondas gigantes atingiram regiões mais pobres de países asiáticos, que têm pouca participação na economia local

O saldo da tragédia na Ásia, que matou 144 mil pessoas, segundo a última contagem, será sobretudo humano e de infra-estrutura básica. Apesar de as perdas materiais alcançarem cerca de 10 bilhões de dólares, o impacto sobre a economia local será pequeno, conforme analistas. Isto porque as duas indústrias mais atingidas pelas ondas gigantes (o turismo e a pesca) têm pouca participação no Produto Interno Bruto (PIB) dos países atingidos Sri Lank, Indonésia, Tailândia, entre outros.

“Há perdas, mas elas se concentraram na população mais pobre”, afirmou, ao jornal americano The New York Times, Wing Thye Woo, professor de Economia da Universidade da Califórnia. De acordo com o peso do turismo e da pesca para os países atingidos, estima-se que a economia deixe de crescer menos de 1%, na Tailândia, até 4%, nas Ilhas Maldivas.

Aceh, a região mais atingida pelo tsunami na Indonésia, por exemplo, responde por menos de 2% da economia do país. As principais fontes de riqueza local a indústria de óleo e gás, além das fábricas mais importantes não foram danificadas. No Sri Lanka, o turismo representa menos de 6% do PIB.
Em razão disso, as previsões de crescimento para os países atingidos, em 2005, permanecem elevadas. A Tailândia deve avançar cerca de 6%, mesma taxa do ano passado. As atividades turísticas da região de Phuket, a mais afetada pela tragédia, representam cerca de 1,3% do PIB tailandês.