ICAP deixará UE caso imposto financeiro seja adotado, diz presidente

Se o imposto sobre transações financeiras proposto por Alemanha e França seja implementado no bloco, a corretora de valores pretende sair do bloco econômico

Londres – A ICAP, uma das maiores corretoras de valores do mundo, deixará a União Europeia caso um imposto sobre transações financeiras proposto por Alemanha e França seja implementado no bloco, disse o presidente da instituição em artigo num jornal publicado neste domingo.

“Companhias como a ICAP vão simplesmente sair da UE se Nicolas Sarkozy e Angela Merkel avançarem com esse imposto tolo”, disse Michael Spencer em artigo publicado na edição deste domingo do Independent.

Os líderes de França e Alemanha sugeriram o imposto na terça-feira, como parte das propostas destinadas a evitar um agravamento da crise de dívida que afeta a região. Grã-Bretanha e Holanda, no entanto, opuseram-se à taxação, principalmente se não for aplicada globalmente.

Spencer –que tem sido um importante contribuidor do Partido Conservador britânico, atualmente no poder– disse que as instituições financeiras vão se transferir para Nova York ou Cingapura caso esse imposto entre em vigor.

“Essa é outra cínica ameaça de Sarkozy, que sabe que esse imposto afetaria muito o mercado de Londres, onde todos os dias são negociados trilhões de dólares”, disse ele. “Só poderia funcionar se fosse adotada globalmente.”

A ICAP reportou um crescimento de 10 por cento nas operações em suas plataformas eletrônicas, que alcançaram 878 bilhões de dólares no segundo trimestre deste ano.