Hungria criminaliza sem-teto com penas de até 6 meses de prisão

Lei que entrou em vigor há três semanas obriga pessoas sem moradia a se mudarem para algum dos centros de amparo do país, embora neles não haja lugar para todos

Budapeste, 6 mai (EFE).- Uma polêmica lei na Hungria aperta o cerco legal aos 30 mil sem-teto do país, que podem ser condenados a seis meses de prisão por viverem na rua.

A normativa, que entrou em vigor há três semanas e recebeu críticas de organizações de defesa dos direitos humanos da Hungria e de outros países, os obriga a se mudarem para algum dos centros de amparo, embora neles não haja lugar para todos.

A lei prevê penas crescentes para os que continuarem nas ruas: após uma primeira advertência, em caso de reincidência, impõe-se uma multa de 500 euros (R$ 1.260). Caso não tenham o dinheiro para pagá-la, terão de passar seis meses na prisão.

Apesar da ameaça, um grupo de três sem-teto em uma das ruas de Budapeste próximas a um centro comercial não parece, por enquanto, estar preocupado.

‘Os policiais não nos pedem para sair, mas procuramos algum lugar nos arredores onde não podem nos encontrar’, conta um deles à Agência Efe, acrescentando que nunca iria aos centros, pois neles só há ‘mau cheiro, roubos e desordem’.

A lei prevê que as sanções só sejam aplicadas em localidades que assegurem alojamento às pessoas desabrigadas, algo que não ocorre em nenhuma cidade do país.

A rejeição da legislação, uma das mais restritivas na Europa, é esmagadora. Organizações civis húngaras como a União para as Liberdades Fundamentais (TASZ) e a internacional Human Rights Watch (HRW) pedem a anulação da lei.

Esta medida significa um ‘grave problema’ do ponto de vista dos direitos humanos, ressalta a HRW. Para a TASZ, a lei viola a ideia do tratamento igualitário das pessoas.

Stefania Kapronczay, diretora de programas da TASZ, explica à Efe que a legislação é anticonstitucional e destaca a falta de programas sociais de habitação e trabalho, lembrando que a Defensoria Pública levou o caso ao Tribunal Constitucional para sua revisão.

Esta lei nacional completa um processo de sanções que foi se expandindo. Primeiro foi uma lei municipal em Budapeste que proibia viver nas passagens subterrâneas de Budapeste, e depois foram impostas multas em vários distritos da cidade.

Um sem-teto que se apresentou como ‘Maci Laci’ (um personagem de desenho animado), em um centro de amparo do bairro de Obuda, ironizou esta pressão crescente sobre os moradores de rua: ‘Por que não jogamos todos os sem-teto no (rio) Danúbio? Isso seria uma solução para o problema!’.

Nos primeiros meses deste ano, mais de 270 pessoas foram detidas em Budapeste pela aplicação da lei municipal, embora a maioria dos casos tenham resultado em uma ‘advertência’.

‘Até o momento, não temos informações de que algum sem-teto tenha sido multado (pela normativa nacional), mas a lei significa uma tremenda ameaça’, diz à Efe Attila Takacs, também sem-teto e ativista da ONG ‘A Város Mindenkié’ (A cidade é de todos).

Segundo Takacs, que trabalha e vive na redação de uma rádio alternativa de Budapeste, as autoridades realizam ‘campanhas’ em determinados períodos, mas sua experiência indica que o comportamento dos policiais é ambíguo.

Ele afirma que os policiais, em sua maioria, ‘estão fartos’ de terem de participar dessas ações, e limitam-se a pedir aos sem-teto para abandonarem as ruas, ‘mas quando recebem a ordem, prendem’.

Muitos sem-teto opinam que a única solução para sua situação é encontrar um trabalho, o que está cada vez mais difícil devido à crise, mesmo com a ajuda de organizações civis e vários centros de amparo.

‘Eu trabalhei durante um ano, vivendo em uma barraca e me banhando todos os dias no Danúbio’, comenta Zsuzsa, de 60 anos, que agora vive em um centro de amparo, mas sem trabalho, embora sonhe em se mudar para um imóvel social, onde não tenha de compartilhar quarto.

Os centros de amparo do país variam desde salas para mais de 100 pessoas até albergues com quartos com duas camas, banheiros, internet e cozinha, embora estes últimos sejam escassos.

Um novo aspecto dos últimos meses é que ‘também apareceram na rua os ciganos sem-teto’, acrescenta Takacs, surpreso, já que ‘os laços familiares entre os ciganos são muito fortes, uns ajudam os outros’. Embora o número continue reduzido, isso indica que a crise está se agravando. EFE