Hospitais americanos se preparam para pânico do ebola

Com a estação de gripe anual chegando, médicos devem receber muitos pacientes com sintomas parecidos com os do ebola, mas que podem ter apenas resfriados

Nova York – Uma jovem com queixa de dor abdominal e náuseas que havia viajado à África chegou a um hospital de Long Island temendo ter contraído ebola. Ela não tem o vírus, mas o teste de gravidez deu positivo.

A mulher viajou à África do Sul durante o pior surto de ebola já registrado e viagem chegou ao fim após seis semanas ou duas vezes o período potencial de incubação pela infecção do ebola.

“Há muita ansiedade e a resposta para a ansiedade é informação e formação”, disse o Dr. Bruce Hirsch, um especialista em doenças infecciosas no Hospital Universitário de North Shore, em Manhasset, Nova York.

O medo da mulher é emblemático do pânico em todo o país desde que o viajante liberiano Thomas Eric Duncan se tornou a primeira pessoa diagnosticada com ebola nos Estados Unidos no dia 30 de setembro. Dois dos enfermeiros que o trataram em um hospital de Dallas, Texas, se infectaram, e várias centenas de contatos mais potenciais, diretos e indiretos, foram rastreadas.

Dezenas de infecções falsas por ebola têm sido relatadas pelos hospitais, ainda que o vírus seja transmitido através do contato direto com fluidos corporais de uma pessoa infectada e não esteja pelo ar.

Com a estação de gripe anual iminente, hospitais e médicos estão preparando salas de emergência que poderão ser alagados com pacientes que temem ebola, mas que esteja resfriados, com sintomas semelhantes aos estágios iniciais de ebola, como febre e dores no corpo.