Horário de verão economiza R$30 milhões em geração térmica

Com a mudança nos relógios a demanda por energia no horário de ponta foi reduzida em 2.376 megawatts (MW)

Brasília – O horário de verão, que termina a zero hora do domingo, gerou uma economia de 30 milhões de reais ao sistema elétrico, estimou o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) nesta sexta-feira.

Segundo dados preliminares do ONS, com a mudança nos relógios a demanda por energia no horário de ponta foi reduzida em 2.376 megawatts (MW) nos subsistemas Sudeste/Centro-Oeste e Sul, onde vigorou a medida. Essa diminuição do consumo equivale a cerca de 4,4 por cento da carga no chamado horário de pico da demanda por eletricidade, usualmente entre o fim da tarde e o início da noite.

Segundo o ONS, houve uma menor necessidade de geração de energia em usinas termelétricas, que resultou na economia estimada em 30 milhões de reais.

A edição 2010-2011 do horário de verão começou a zero hora de 17 de outubro passado.

A partir da zero hora do domingo, dia 20, quando o horário de verão termina, os relógios deverão ser atrasados em uma hora no Distrito Federal e nos Estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Minas Gerais, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Goiás.

Somente na região Sul, a economia de energia no horário de pico foi de 555 MW, ou 4,7 por cento. No sistema Sudeste/Centro-Oeste, a economia no horário de ponta foi de 1.821 MW, equivalente a 4,4 por cento da demanda nesse momento do dia.

O princípio do horário de verão consiste em aproveitar mais a luminosidade natural –que nesta época do ano é maior– para que o aumento de consumo de energia no fim do dia seja retardado, tanto na iluminação pública quanto nas residências. Com isso, o sistema opera com mais folga e sobrecargas são evitadas.