Invasor da Casa Branca pode pegar 16 anos de prisão

Invasor foi o primeiro intruso que conseguiu chegar ao interior de um dos edifícios mais protegidos do mundo

Washington – Um grande júri federal dos Estados Unidos indiciou nesta terça-feira com três acusações o homem que invadiu a Casa Branca armado com uma faca no último dia 19 de setembro, o primeiro intruso que consegue chegar ao interior de um dos edifícios mais protegidos do mundo.

Omar J. González, de 42 anos, pode receber uma condenação de até 16 anos de prisão pelas acusações de invasão de domicílio, porte de arma fora de uma casa ou um centro de negócios e pela posse ilegal de munição, informou hoje o Departamento de Justiça em comunicado.

O acusado conseguiu saltar a cerca do jardim da Avenida Pensilvânia, percorrer os 60 metros que a separam do Pórtico Norte, entrar na mansão presidencial e atravessar os 24 metros de comprimento que tem a East Room antes de ser detido por um agente.

González, que prestará depoimento amanhã perante um tribunal do Distrito de Columbia, tinha 800 cartuchos de munição em seu veículo, dois machados e um facão, e já tinha sido detido em julho no sudoeste da Virgínia por portar uma escopeta de cano cerrado e um mapa da Casa Branca.

O fato suscitou novas críticas de congressistas e imprensa sobre a atuação do Serviço Secreto, cuja credibilidade está denegrida por vários escândalos de condutas inapropriadas, entre eles consumo excessivo de álcool e visitas a prostitutas durante viagens presidenciais ao exterior.

Os congressistas americanos interrogaram hoje em uma audiência na Câmara dos Representantes a diretora do Serviço Secreto, Julia Pierson, sobre os protocolos de segurança da agência.

Pierson reconheceu que o incidente é ‘inaceitável’ e assegurou que tomará as medidas necessárias para que não volte a acontecer uma falha desta envergadura.

‘Assumo toda a responsabilidade. O que aconteceu é inaceitável e não ocorrerá outra vez’, afirmou Pierson perante o Comitê de Reforma e Supervisão Governamental da Câmara dos Representantes.

O jornal ‘The Washington Post’ revelou ontem que González conseguiu percorrer boa parte do primeiro andar da Casa Branca, uma versão que contradiz a do Serviço Secreto, que até agora tinha assegurado que o detiveram assim que entrou no edifício.

O periódico afirmou ainda que o agente que interceptou o intruso era um oficial fora de serviço que estava por acaso nessa área da mansão presidencial.

González é um veterano de guerra que tinha sido destinado ao Iraque em três ocasiões e que sofre estresse pós-traumático, segundo seus familiares.

Em agosto tinha sido interrogado perto da Casa Branca quando levava um machado em sua mochila, mas os agentes lhe deixaram ir ao registrar seu veículo e comprovar que só levava equipamentos de montanhismo.