Hezbollah deixa a Síria se árabes pararem de interferir

Líder do grupo pediu no domingo às forças políticas árabes que "parem a guerra na Síria"

Beirute – O líder do grupo xiita Hezbollah, xeique Hassan Nasrallah, pediu no domingo às forças políticas árabes que “parem a guerra na Síria”, prometendo em troca retirar seus combatentes de lá.

A guerra civil síria, que já dura três anos, alimenta as tensões entre sunitas e xiitas no vizinho Líbano – país de origem do Hezbollah – e no mundo árabe em geral. Muitos militantes de outros países estão na Síria lutando para ambos os lados, e tanto o governo quanto a oposição recebem ajuda financeira externa.

“Se vocês querem evitar que esta região mergulhe no caos que não acabará durante décadas, parem a guerra na Síria”, disse Nasrallah, dirigindo-se às forças políticas árabes.

“Retirem os combatentes da Síria, deixem que os sírios se reconciliem”, afirmou o líder do movimento xiita libanês, que conta com apoio do Irã e é aliado do governo de Bashar al Assad. “É claro que, se isso acontecesse, tampouco permaneceríamos na Síria.” O discurso de Nasrallah pareceu conter uma resposta ao político libanês Saad Hariri, que na sexta-feira prometeu conter a militância dentro da sua própria seita sunita, mas disse que o Hezbollah também deveria interromper seu envolvimento no conflito sírio, a fim de evitar um “holocausto sectário”.