Hamas condena ataque contra premiê palestino em Gaza

O movimento islamita, inicialmente apontado por autoridades como responsável pelo ataque, disse que a ação ameaça o processo de reconciliação das facções

Gaza – O movimento islamita Hamas condenou nesta terça-feira o ataque com bomba ao comboio que levava o primeiro-ministro da Autoridade Nacional Palestina (ANP), Rami Hamdallah, na Faixa de Gaza, e afirmou que isto ameaça o processo de reconciliação entre as facções palestinas.

“O Hamas condena o crime contra o primeiro-ministro Rami Hamdallah e o considera parte de uma tentativa que pretende desestabilizar a segurança em Gaza e frustrar os esforços para alcançar a união nacional”, expressou o grupo islamita em uma declaração oficial através do Twitter.

O grupo também condenou “as acusações da Presidência da ANP por responsabilizá-lo por este crime”.

O porta-voz da organização palestina, Fawzi Barhoum, pediu também em comunicado que os corpos de segurança e do Ministério de Interior “abram uma investigação urgente e imediata para saber todas as circunstâncias do crime, apontar responsáveis e levá-los perante a justiça “.

Pouco depois do incidente violento, que não deixou feridos, mas danificou três veículos do comboio, o Hamas deteve vários suspeitos, informou a agência de notícias palestinas “Maan”.

Hamdallah e seu entorno já saíram de Gaza e se dirigem de volta a Ramala, em Cisjordânia.

O presidente palestino, Mahmoud Abbas, que realizava numa visita oficial à Jordânia, cancelou o programa para voltar imediatamente a Ramala, declarou o porta-voz do Comitê Central do Fatah à emissora Voz da Palestina.

Abbas se reunirá com diferentes dirigentes para decidir as medidas a tomar após o ataque.