Greve contra reformas na Grécia prejudica transporte

A paralisação afetou ônibus, bondes e serviços de metrô, causando grande tráfego durante a hora do rush da manhã

Atenas – Os trabalhadores do transporte público da região de Atenas, capital da Grécia, pararam hoje por 24 horas, em protesto contra os planos do governo para reformar as companhias estatais. A paralisação afetou ônibus, bondes e serviços de metrô, causando grande tráfego durante a hora do rush da manhã. Os atenienses buscavam táxis e usavam seus carros para tentar chegar ao trabalho.

Os serviços nacionais ferroviários pelo país também foram afetados pela paralisação, mas os de ferry e os aéreos operavam normalmente. Em maio, a Grécia escapou por pouco da falência com o auxílio de um pacote de 110 bilhões de euros do Fundo Monetário Internacional (FMI) e da União Europeia (UE). Em troca o governo grego se comprometeu a adotar medidas de austeridade para reduzir o déficit público, além de outras reformas.

O governo socialista já aprovou uma lei para realizar mudanças no sistema ferroviário nacional, que atualmente dá prejuízo. Também busca fazer reformas similares em outras 52 companhias estatais. Entre outras coisas, as reformas preveem cortes drásticos em subsídios e salários nas companhias de transporte estatais.

Em outra paralisação, os lixeiros de Atenas estão realizando uma greve de 48 horas a partir de hoje, por causa das políticas de contratação da prefeitura. Os trabalhadores do estatal ATEBank também cruzaram os braços, contra reformas que devem afetar a instituição. As informações são da Dow Jones.