Greta Thunberg apresenta denúncia contra Alemanha, França e Brasil na ONU

Alemanha, França, Brasil, Argentina e Turquia foram denunciados por violações de direitos humanos em petição registrada por Greta e mais 15 jovens na ONU

São Paulo – A ativista sueca, Greta Thunberg, de 16 anos, e mais 15 jovens de diferentes partes do mundo apresentaram uma denúncia contra vários países na Organização das Nações Unidas (ONU).

O documento alega que cinco das maiores economias do mundo (Alemanha, França, Brasil, Argentina e Turquia) estão violando os direitos humanos dos jovens proponentes ao não adotarem medidas adequadas contra as mudanças climáticas.

Segundo a rede de notícias CNN, que teve acesso ao teor da petição, a queixa cita estes países por já terem reconhecido a jurisdição do Acordo de Paris e por constarem entre os maiores emissores de gases causadores do efeito estufa.

“A mensagem que queremos passar é a de que estamos cheios”, disse Greta durante coletiva de imprensa na qual a ação foi anunciada. A petição traz depoimentos de crianças de 12 diferentes países do mundo sobre como as mudanças climáticas estão afetando suas vidas.

A apresentação da denúncia foi realizada logo depois de a ativista realizar um poderoso discurso durante a Cúpula do Clima que acontece em Nova York, nos Estados Unidos, na sede da ONU. “Você vem até nós, os jovens, em busca de esperança. Como ousam? ”, criticou a jovem sueca, “pessoas estão sofrendo, pessoas estão morrendo, ecossistemas inteiros estão entrando em colapso”, acusou.

A queixa é a mais recente ação liderada por jovens para denunciar ameaças das mudanças climáticas e extinção em massa. Na sexta-feira, cerca de 4 milhões de pessoas participaram do que se chamou de greve climática global, inspirada em Greta, que iniciou uma greve semanal na escola em agosto de 2018 para tentar aumentar a conscientização sobre o assunto.

O aquecimento global já levou a secas e ondas de calor, derretimento de geleiras, aumento do nível do mar e inundações, e cientistas dizem que a crise se intensificou desde 2015, quando os líderes mundiais assinaram o Acordo de Paris para combater o fenômeno causado pela emissão de gases estufa como gás carbônico.

Três das crianças que assinaram a petição e são das Ilhas Marshall e pediram a líderes mundiais que visitem seu país para verem em primeira mão como o aumento do nível do mar está engolindo as ilhas do Pacífico central.