Governo espanhol afirma que Leopoldo López não pediu asilo político

O dirigente opositor, em prisão domiciliar, foi libertado ontem por militares por meio de um "indulto presidencial" de Juan Guaidó

Madri – O opositor venezuelano Leopoldo López e sua família estão na residência do embaixador da Espanha na Venezuela, mas “não solicitaram asilo político”, segundo informaram nesta quarta-feira fontes do governo espanhol.

“Diante das informações contraditórias, confirmamos de novo em nome do governo que o líder opositor Leopoldo López, junto com sua mulher e sua filha, se encontram na residência do embaixador da Espanha em Caracas”, destacaram as fontes.

Além disso, detalharam que López e sua família se encontram ali amparados “por decisão própria” e “não solicitaram asilo político”.

O Ministério das Relações Exteriores espanhol tinha anunciado antes que tanto López, como sua mulher, Lilian Tintori, e sua filha de 15 meses estão na legação espanhola em Caracas.

O dirigente opositor, que cumpria uma pena de quase 14 anos de detenção em regime de prisão domiciliar, foi libertado ontem por militares por meio de um “indulto presidencial” do líder opositor Juan Guaidó, reconhecido como presidente interino da Venezuela por mais de 50 países, entre eles a Espanha.

Guaidó convocou ontem as forças armadas da Venezuela a dar as costas ao presidente Nicolás Maduro, mas os militares não aderiram ao movimento, com a exceção de um pequeno grupo.

Horas mais tarde, Leopoldo López e sua família se dirigiram à residência do embaixador chileno em Caracas, mas a deixaram horas depois por “decisão pessoal” do dirigente opositor, segundo explicou o chanceler do Chile, Roberto Ampuero.