Sudão do Sul diz que insurgentes realizam rebelião tribal

Governo disse que o ex-vice-presidente Riek Machar "realiza uma rebelião tribal e não política" e que os "golpes de Estado são rechaçados na África"

Juba – O Governo sul-sudanês disse nesta terça-feira que o ex-vice-presidente Riek Machar “realiza uma rebelião tribal e não política” e que os “golpes de Estado são rechaçados na África“, segundo disse à Agência Efe o vice-ministro das Relações Exteriores do país, Peter Bandy.

O vice-ministro assegurou, além disso, que “Machar e seu grupo estão dirigindo uma rebelião contra a autoridade legítima”.

Nesta terça-feira mesmo, a Autoridade Intergovernamental para o Desenvolvimento (Igad) confirmou em comunicado que o Governo e os rebeldes acordaram um cessar-fogo e a disposição a começar as consultas para achar uma solução à crise.

Horas antes, o Governo da Etiópia informou por sua parte que representantes de Kir e Machar se reuniriam hoje em Adis-Abeba para buscar uma solução à crise vivida no país há duas semanas.

Quanto aos últimos movimentos na zona, os rebeldes recuperaram hoje o controle da cidade de Bor, capital do estado de Jonglei, segundo seu porta-voz, Musis Ruai.

No entanto, o porta-voz do Exército governamental, Philip Aguer, desmentiu estas informações e assegurou à televisão do Sudão do Sul que os combates continuam ainda.

Várias testemunhas informaram à Agência Efe que os choques continuam na cidade e que vários bairros, sobre todo os que se encontram no leste da cidade, se encontram sob o controle dos insurgentes.

Os rebeldes tomaram o controle da cidade de Bor em 19 de dezembro, mas o Exército o recuperou cinco dias mais tarde.