Governo de Hong Kong pede fim imediato dos protestos

Governo pediu a movimento democrático que ponha fim à ocupação das ruas de Hong Kong imediatamente

Hong Kong – O governo de Hong Kong pediu nesta quinta-feira ao movimento democrático “Occupy Central” que ponha fim “imediatamente” à ocupação das ruas da cidade, principalmente ao redor dos escritórios oficiais, enquanto a polícia advertiu que haverá “sérias consequências se os protestos forem intensificados”.

As autoridades locais disseram, em entrevista coletiva e um comunicado, que nesta sexta-feira tentarão reabrir a administração pública para retomar a atividade dos funcionários.

Governo e polícia pediram para que os manifestantes “não bloqueiem o acesso aos edifícios oficiais e que se dispersem de forma pacífica o mais rápido possível”, indica a chamada, que insistiu que o “Occupy Central” e outras organizações envolvidas “terminem imediatamente todas as atividades de ocupação”.

O objetivo do governo é que os três mil servidores públicos que trabalham nos escritórios governamentais centrais possam voltar aos postos de trabalho na sexta-feira.

Os organizadores do movimento democrático anunciaram que intensificarão a manifestação e que podem inclusive tentar ocupar os prédios se o chefe do Executivo, Leung Chung-ying, não renunciar antes da meia-noite.

O superintendente da polícia de Hong Kong, Steve Hui, advertiu nesta quinta-feira que pode haver “sérias consequências” caso os organizadores intensificarem o protesto e não descartou o uso “apropriado” da força se for preciso, principalmente contra atos violentos.

Foi anunciado pelo departamento de Educação que as aulas nos colégios e centros educativos da zona central e oeste da cidade permanecerão canceladas na sexta-feira.