Governo cobra apoio da Chesf à revitalização do São Francisco

Segundo membro do Ministério do Meio Ambiente, a empresa "precisa fazer o que a Hidrelétrica de Itaipu faz na sua área"

Brasília – O secretário executivo do Ministério do Meio Ambiente, José Machado, cobrou da Companhia Hidro Elétrica do São Francisco (Chesf) uma ação mais efetiva em favor da preservação ambiental e da revitalização do rio mais importante do Nordeste. E deu como exemplo a ser seguido outra empresa estatal: “[A Chesf] precisa fazer o que a Hidrelétrica de Itaipu faz na sua área”.

O secretário falou na abertura do seminário que discute as ações ministeriais de revitalização e preservação das bacias de água doce. Na Bacia do São Francisco, com uma área de abrangência de 600 mil quilômetros quadrados, “há realidades diferentes, por isso, no processo de revitalização, é necessário agregar valores, fortalecer a gestão para que a questão adquira importância política capaz de alavancar os resultados que a sociedade espera”, disse Machado.

Ele afirmou que o país “está resgatando a cultura do planejamento na área do meio ambiente, fundamental para se obter bons resultados”, uma vez que o setor não pode dispensar “uma estratégia definida além de mais aplicação de recursos”.

Para Machado, “o que se vinha fazendo há pouco tempo era improvisar na busca de soluções e, por isso, os resultados eram pífios, na tentativa de corrigir os estragos e a depredação que, por diversas razões, foram feitos no passado”.

Ele vê as medidas de curto prazo na área do meio ambiente “como armadilhas, porque as coisas depois se dispersam. Precisa haver um engajamento dos entes federativos e da sociedade para que os projetos tenham sucesso”.

Sobre as obras de transposição das águas do Rio São Francisco, José Machado afirmou que é um projeto diferente do da revitalização, mas ambos têm evidente combinação. As obras da transposição já estão em andamento, mas os prazos para conclusão variam. Na parte leste, tudo está mais adiantado e o trecho deverá ser concluído no próximo ano. A parte norte só será finalizada entre 2012 e 2013, informou o secretário.

O seminário foi aberto na manhã de hoje, em Brasília, e vai discutir, durante todo o dia, as ações desenvolvidas no âmbito dos programas de revitalização de bacias hidrográficas. Vão ser apresentadas mais de 100 ações de responsabilidade dos ministérios do Meio Ambiente, da Integração Nacional e da Cultura, dentro do projeto de revitalização do Rio São Francisco. São planos de proteção de matas ciliares, implementação de parques fluviais, proteção ao patrimônio histórico e cultural e esgotamento sanitário.