Governo brasileiro lamenta mortes no Irã devido a terremoto

“O governo brasileiro tomou conhecimento, com pesar, da tragédia gerada pelos terremotos que atingiram o Noroeste do Irã em 11 de agosto”, diz a nota

Brasília – O governo do Brasil divulgou hoje (13), por meio do Ministério das Relações Exteriores, o Itamaraty, nota em solidariedade à população e ao governo iranianos. Há dois dias, o país sofreu um terremoto, seguido de tremores secundários, o que provocou 306 mortes e deixou mais de 3 mil feridos. No texto, o Itamaraty classifica o episódio como uma tragédia.

“O governo brasileiro tomou conhecimento, com pesar, da tragédia gerada pelos terremotos que atingiram o Noroeste do Irã em 11 de agosto”, diz a nota. “O governo brasileiro se solidariza com as famílias das vítimas e manifesta suas mais sinceras condolências ao governo e ao povo do Irã.”

Após o terremoto do sábado (11), prestaram solidariedade ao Irã o papa Bento XVI, os governos dos Estados Unidos, da China, da Rússia, da Bolívia e da Venezuela, além do Brasil. A área atingida fica na parte oriental do país, próximo ao Azerbaijão.

Um dos principais aliados do governo do presidente Mahmoud Ahmadinejad, o presidente da Síria, Bashar Al Assad, também enviou hoje uma mensagem de condolências e solidariedade aos iranianos. No texto, Assad, que enfrenta uma crise há 17 meses, que provocou mais de 20 mil mortes no seu país, diz que tem simpatia pelo governo iraniano e que pede a Deus “conforto às famílias das vítimas” do terremoto.

No sábado, um terremoto de 6,4 graus de magnitude na escala Richter atingiu a cidade de Ahar, perto da capital da província de Tabriz a uma profundidade de 9,9 quilômetros (6,2 milhas). Tremores secundários de 6,3 graus na escala Richter afetaram as áreas de Varzaqan e Haris. O epicentro do terremoto foi a 49 quilômetros de Tabriz.

Os tremores de terra derrubaram construções, destruíram as redes elétrica e de telecomunicações. A área ficou isolada do restante do país. Muitas pessoas perderam suas casas e equipes de apoio foram chamadas em todo país para ajudar as vítimas.