Governo Bolsonaro não trará ruptura à política externa, avalia Amado Cervo

A EXAME, Amado Luiz Cervo, um dos maiores especialistas em política externa do Brasil, falou sobre suas expectativas para o governo de Jair Bolsonaro

São Paulo – A política externa do presidente eleito, Jair Bolsonaro, não trará grandes novidades a não ser a sua ênfase liberal. Nesse sentido, a linha a ser adotada pelo novo governo deve coincidir com o que foi feito pela gestão do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (1995-2003).

A avaliação é do historiador Amado Luiz Cervo, professor emérito do Instituto de Relações Internacionais da Universidade de Brasília e professor do Instituto Rio Branco, a escola diplomática do Brasil.

Considerado um dos maiores especialistas em política externa nacional, Cervo falou por escrito a EXAME sobre suas expectativas para o futuro das relações exteriores do país daqui em diante.

Segundo suas impressões, a tradição diplomática brasileira, seus valores e padrões de conduta não sofrerão rupturas. Mesmo com o diplomata Ernesto Araújo, cujos posicionamentos trouxeram incertezas sobre a direção que o Brasil adotará na esfera internacional, à frente da chancelaria.

Abaixo, confira na íntegra a entrevista com Amado Luiz Cervo.

EXAME – Quais as expectativas que o senhor tem para a política externa brasileira daqui em diante? 

Amado Cervo – Minhas expectativas coincidem em boa medida com o que fez Fernando Henrique Cardoso. Os dois presidentes têm uma visão de mundo e da inserção internacional do Brasil semelhantes: são liberais, nesse sentido, inovadores relativamente ao período anterior a seus mandatos, de governos mais nacionalistas e introspectivos. Isso significa, para a política exterior, um novo ciclo de abertura da economia a empreendimentos, capitais e tecnologias vindas de fora.

Nada de novo, a não ser a ênfase liberal. Pois o Brasil sempre implementou uma política exterior a serviço do desenvolvimento econômico. E sempre implementou uma concepção de desenvolvimento que podemos denominar de desenvolvimento inconcluso, capenga, a meio caminho. Tocado por insumos externos, os três apontados acima.

Poucos governos, como Vargas e Geisel, tentaram modificar essa estratégia incorreta, tentaram promover acumulação interna, sobretudo em pesquisa e inovação com aplicação na área produtiva. Sem domínio do conhecimento e de sua aplicação, a inovação tecnológica, um país ficará eternamente em desenvolvimento, a meio caminho, nunca alcançará as nações de desenvolvimento maduro. Terá um desenvolvimento inconcluso. Infelizmente essa é minha expectativa quando à funcionalidade da política exterior sob o governo eleito.

EXAME – Como o senhor avalia as declarações sobre política externa que vêm sendo dadas pelo presidente eleito, Jair Bolsonaro, como a possível mudança da embaixada brasileira de Israel, hoje em Tel-Aviv, para Jerusalém? 

Amado Cervo – Bolsonaro não tem ideias precisas sobre o que pretende fazer em termos de política exterior. Ainda não sabe bem o que fazer no miúdo da ação. Dizer que pretende mudar a embaixada para Jerusalém é algo impensado e pouco conveniente. O volume de negócios que o Brasil tem com os países árabes é enorme e seria algo insensato sacrificar relações proveitosas aos interesses nacionais com estes países árabes por meio de uma decisão inesperada e inoportuna. Creio que vai reconsiderar.

EXAME – Como o senhor vê a nomeação de Ernesto Araújo para o posto de chanceler?

Amado Cervo – Uma decisão coerente com as convicções políticas e econômicas: são dois liberais que falam a mesma língua e não terão atritos de gestão.

EXAME – O que essa nomeação representa para a política externa brasileira? Podemos falar em ruptura? Quais os riscos que essa ruptura pode trazer? 

Amado Cervo – Não haverá ruptura na política exterior. O Itamaraty é uma das máquinas diplomáticas mais bem equipadas em termos humanos e profissionais entre todos os países do mundo. A política exterior brasileira apresenta há séculos três traços que compõem a estratégia de longo prazo: universalismo, cooperação e pacifismo.

Mantém relações com qualquer país do mundo sem importar-se com o regime político ou a ideologia política do outro. É o universalismo. O que importa para a ação externa é o resultado esperado a favor do desenvolvimento interno. Isso é cooperação. A cultura brasileira é marcada pela tolerância e pela convivência de diferenças internas e esse traço da índole nacional é repassado para a ação externa. Isso é pacifismo.

Uma política exterior universalista, cooperativa e “não confrontacionista”. O Itamaraty é guardião desses valores e desses padrões de conduta desde o século XIX. A continuidade sobrepõe-se, historicamente, à ruptura.

EXAME – Ao anunciar a nomeação de Araújo, o presidente eleito, Jair Bolsonaro, falou em “regeneração do Brasil” e que a política externa será parte disso. Na sua avaliação, a política externa e a diplomacia brasileira precisam ser regeneradas? 

Amado Cervo – É uma questão de ênfase. Não se trata de regenerar, nada há na estratégia externa para regenerar, apenas imprimir nova feição quanto à gestão das relações exteriores no miúdo.

O Brasil sempre teve parceiros fundamentais e com eles implementa relações históricas estreitas, contínuas e proveitosas. Parceiros como Estados Unidos, Argentina, Alemanha, Itália, Portugal, Japão, Coreia, recentemente China devido a seu dinamismo econômico, e outros.

Nada disso vai mudar, apenas a gestão da política exterior requer inovação ante as circunstâncias e as estruturas cambiantes do mundo. Pragmatismo e eficiência: o Itamaraty sabe disso e sabe como conduzir-se, movido pelos interesses nacionais.

A regeneração diz respeito a desvios de conduta diante da funcionalidade esperada da estratégia externa, conforme avaliação da equipe de Bolsonaro. Por exemplo, privilegiar parceiros ideológicos de esquerda, conforme a ideologia de esquerda do governo do PT: Venezuela, Bolívia, Cuba etc. Isso significa regenerar? Bolsonaro talvez entenda dessa maneira.

Dois desafios talvez sejam considerados na ideia de regeneração: libertar o sistema político da corrupção e da ineficiência da gestão. Se estes males forem erradicados, teremos sim uma regeneração. Não me parece que a ação externa do país deva ser regenerada em outra coisa. A ação externa foi por certo corrompida, citando agora outro exemplo, por algumas empresas transnacionais brasileiras, que integraram à sua conduta no exterior a prática da propina, exigida pelo sistema político interno apodrecido. Se for isso regenerar, devemos aplaudir.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s