Gina Haspel é a primeira mulher a comandar a CIA

Haspel foi nomeada por Trump em substituição a Mike Pompeo, que assume agora o cargo de secretário de Estado americano

Washington – O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, nomeou nesta terça-feira Gina Haspel como nova diretora da CIA, em substituição a Mike Pompeo, e afirmou que ela será a primeira mulher à frente da agência.

“Mike Pompeo, diretor da CIA, se tornará nosso novo secretário de Estado. Ele fará um trabalho fantástico! Obrigado a Rex Tillerson por seu serviço! Gina Haspel se tornará a nova diretor da CIA, e a primeira mulher escolhida para isso. Parabéns a todos!”, afirmou Trump em sua conta no Twitter.

Apesar do momento e do modo como foi anunciada, a saída de Tillerson não surpreendente, já que há algum tempo especulava-se a possível renúncia do até hoje principal responsável pela pasta de Exteriores, com quem Trump teve vários desentendimentos ao longo dos últimos meses.

Minutos depois de publicar a mensagem nas redes sociais, Trump explicou brevemente a decisão a um grupo de jornalistas que estavam na Casa Branca, reconheceu os seus desencontros com Tillerson e destacou que Pompeo compartilha com ele uma “forma de pensar parecida”.

Desta maneira, após as mudanças num gabinete, que segundo disse o presidente, está “cada vez mais perto” de ser o que ele quer, Haspel, que até hoje era vice-diretora da CIA, tornará a primeira mulher a dirigir a agência em 70 anos de história.

“Sou agradecida ao presidente Trump pela oportunidade e humilde pela confiança que depositou em mim ao ser nomeada a próxima diretora da Agência Central de Inteligência”, afirmou ela em comunicado divulgado pela Casa Branca.

Haspel, cujo nomeação ainda deverá ser confirmada pelo Congresso, acrescentou que, como diretora, espera “poder dar ao presidente o excelente apoio de inteligência ao qual foi habituado durante o seu primeiro ano de mandato”.

Pompeo, por sua vez, um dos membros mais antigos do atual gabinete, agradeceu Trump a oportunidade de dirigir a CIA e destacou que ao longo do ano em que esteve à frente da Agência teve a oportunidade de trabalhar com “importantes funcionários e diretores da pasta de Exteriores”.

“Se for confirmado, estou desejoso de guiar o corpo diplomático mais excelso do mundo na hora de formular e executar a política externa do presidente”, apontou Pompeo no texto da Casa Branca.