G7 quer pressionar Rússia a abandonar apoio a Bashar al-Assad

Os ministros de Relações Exteriores do G7 estão reunidos nesta segunda-feira para discutir as possibilidades de pressionar o governo Putin sobre a Síria

Os ministros de Relações Exteriores do G-7 estão reunidos nesta segunda-feira para uma reunião na Itália, após o ataque químico na Síria e a represália dos Estados Unidos, com o objetivo de pressionar a Rússia abandonar o apoio ao presidente sírio, Bashar Al-Assad.

O secretário de Estado dos EUA, Rex Tillerson, disse nesta segunda-feira em um monumento em homenagem a vítimas da Segunda Guerra Mundial em Lucca, região central da Itália, que o país está novamente se dedicando a responsabilizar “todos e qualquer um” que cometam crimes contra inocentes.

Tillerson estava acompanhado do ministro de Relações Exteriores da Itália, Angelino Alfano. O encontro na região da Toscana também conta com a presença do ministro de Relações Exteriores da Alemanha, Sigmar Gabriel, Boris Johnson, do Reino Unido, e Fumio Kishida, do Japão, além de outros ministros de Relações Exteriores do G-7.

Johnson, que tinha um encontro marcado com o ministro de Relações Exteriores da Rússia, Sergey Lavrov, em Moscou, cancelou a viagem na última hora com a justificativa de que o ataque químico na Síria “mudou fundamentalmente a situação”.

Ele disse que agora trabalhará com os EUA e as outras nações do G-7 “para construir um apoio coordenado internacional para um cessar-fogo na Síria e intensificar o processo político.”

Tillerson tem viagem marcada para a Rússia após o encontro do G-7 na Itália e Johnson disse que ele dará “uma mensagem clara e coordenara para os russos”. Fonte: Associated Press.