Furacão Irma chega a ilhas da Flórida; milhares estão sem energia

O furacão Irma deixou um rastro de pelo menos 25 mortos e consideráveis danos materiais no Caribe

Miami (EUA), 10 set (EFE) – O furacão “Irma” tocou terra neste domingo nas ilhotas da Flórida, no extremo sul dos Estados Unidos, com ventos que rondam 215 quilômetros por hora, informou o Centro Nacional de Furacões (NHC).

Em um boletim especial, emitido às 7h (horário local, 8h de Brasília), o NHC indicou que a parte norte do olho do furacão alcançou as ilhotas da Flórida, onde há horas se sentem com força os embates do vento.

“Irma”, que deixou um rastro de pelo menos 25 mortos e consideráveis danos materiais no Caribe, se encontra 25 quilômetros ao sudeste de Cayo Hueso e se desloca a uma velocidade de 13 quilômetros por hora.

Neste boletim, o NHC indica que o Aeroporto Internacional de Cayo Hueso mediu ventos constantes de 80 quilômetros por hora, com rajadas de até 113 km/h.

A trajetória estimada de “Irma”, que chegou a tocar terra em Cuba como furacão de categoria 5, com ventos de 257 quilômetros por hora, indica que o ciclone pode tocar terra nas proximidades das cidades turísticas de Naples e Fort Myers, na costa oeste do estado.

Após alcançar a costa norte de Cuba, “Irma” perdeu força, mas recuperou parte dela ao sair de novo para as águas do Estreito da Flórida, ainda que os meteorologistas do NHC prevejam um progressivo enfraquecimento enquanto se dirige para o norte, sem deixar de ser um “poderoso furacão”.

Os especialistas antecipam ainda que o ciclone registrará um aumento da sua velocidade de translação durante o dia de hoje, antes de adentrar no sudoeste da Geórgia na tarde da segunda-feira.

Os ventos com força do furacão se estendem até 130 quilômetros do centro de “Irma”, enquanto os seus ventos de tempestade tropical são sentidos a até 350 quilômetros.

A força dos ventos e as copiosas chuvas geradas por “Irma” começaram a fazer estragos em Miami, onde já há ruas inundadas e árvores caídas.

Junto aos ventos, os perigos vêm também das fortes precipitações, que poderiam deixar acúmulos de água de até 635 milímetros nas ilhotas e de até 508 no sul da península.

Além disso, o aumento do nível do mar, que poderia alcançar 4,5 metros no extremo sudoeste da península da Flórida, poderia alagar cidades como Naples, Fort Myers e Marco Island.

Outro dos principais perigos são os tornados e o Serviço Nacional de Meteorologia emitiu um aviso para todo o sul do estado até o meio-dia (13h de Brasília).

Tudo isso provocou a emissão de ordens de evacuação obrigatória de 6,3 milhões de pessoas, o que gerou intermináveis engarrafamentos nas estradas em sentido norte. EFE