França estima 394 mortos na República Centro-Africana

'Se não tivéssemos agido, seriam milhares de mortos', afirmou Laurent Fabius, ministro das Relações Exteriores da França

Paris, 8 dez (EFE).- O ministro das Relações Exteriores da França, Laurent Fabius, estimou neste domingo em 394 o número de mortes causadas pelos recentes confrontos na República Centro-Africana, onde forças militares francesas intervêm desde a última quinta-feira.

O ministro declarou à rede de televisão ‘France 3’ que ‘a calma voltou a Bangui’, capital do país africano, e insistiu que o papel das tropas francesas que lá atuam ‘está claro, é devolver a segurança’.

‘Se não tivéssemos agido, seriam milhares de mortos’, afirmou o ministro, insistindo que, posteriormente, o objetivo da operação autorizada pelo Conselho de Segurança das Nações Unidas será ‘preparar a transição política, porque não há autoridade’ no país.

Fabius reiterou que o propósito da França é manter suas tropas na República Centro-Africana pelo prazo máximo de seis meses, mas ressaltou que a duração total da missão, que tem a participação de forças africanas, vai durar mais tempo.

‘Espero que os franceses não fiquem, não é nossa vocação’, explicou o ministro, que disse não excluir o ‘risco’ de um confronto por motivos religiosos, que ‘não é a tradição nesse país’.

‘A oposição civil começou a ser uma oposição religiosa, e esse é o perigo’, afirmou. EFE