França adia plano para remanejar tropas na África

País afirmou que primeiramente precisa ajudar a conter uma nova onda de violência no norte do Mali

Paris – A França adiou planos de remanejar 3.000 soldados para combater militantes na região africana do Sahel, dizendo que primeiramente precisa ajudar a conter uma nova onda de violência no norte do Mali.

Paris esperava mover as tropas de sua ex-colônia do Mali e de outras bases para combater grupos islâmicos que operam entre o sul da Líbia, o norte do Chade e o norte do Níger.

A preocupação é que os combatentes possam usar a região como base para ataques mais amplos. Mas esses planos foram paralisados depois que conflitos mortais irromperam entre tropas do governo do Mali e separatistas tuaregues do movimento MNLA no norte do país durante o último fim de semana, disseram autoridades.

“Dados os eventos das últimas 48 horas, a operação para transferir a operação Serval (no Mali) para a força do Sahel-Sahara deve ser adiada por várias semanas”, disse uma fonte do ministério da Defesa nesta terça-feira.

A França originalmente enviou tropas para o Mali após grupos islâmicos ligados à al Qaeda terem tirado vantagem de uma rebelião do povo tuaregue e tomado controle do norte do país em 2012.

Uma missão militar liderada pelos franceses, conhecida como Serval, os fez recuar no ano passado. Depois que a intervenção afastou esses grupos das grandes cidades e municípios, o governo do Mali e separatistas assinaram um acordo na capital de Burkina Faso, Ouagadougou, para negociar sobre uma maior autonomia para o norte, mas pouco progresso foi alcançado desde o ano passado, e as tensões têm aumentado gradualmente.

Uma fonte militar francesa disse que não há nova data para a transferência das tropas para o oeste africano, originalmente agendada para o fim de maio.