FMI pede medidas para impulsionar mercado de trabalho

A diretora do órgão internacional pediu políticas econômicas que contribuam para uma recuperação maior do emprego no final da reunião do G-20

Cairns (Austrália).- O Fundo Monetário Internacional (FMI) pediu neste domingo para se tomar medidas para impulsionar o mercado de trabalho e as infraestruturas, a fim de favorecer o crescimento econômico, ao término da reunião ministerial do Grupo dos Vinte (G20) na Austrália.

Os ministros de Economia e presidentes de bancos centrais do G20 baixaram de 2% para 1,8% o crescimento adicional às previsões até 2018 no encontro que terminou em Cairns onde se comprometeram a adotar cerca de 900 medidas.

A diretora-gerente do FMI, Christine Lagarde, disse que com estes compromissos ‘existe o potencial’ para conseguir este novo objetivo para o qual pediu políticas econômicas que contribuam para uma recuperação mais robusta e criadora de emprego.

‘A preocupação é que os objetivos de crescimento vêm também junto com as do emprego. Devemos nos estabilizar mais nas reformas trabalhistas e em que o mercado de trabalho ofereça mais oportunidades para que se alcancem ambos os objetivos’, disse.

A diretora-gerente do FMI destacou que a economia global continua se recuperando, mas alertou que o crescimento continua sendo baixo e desequilibrado devido ao aumento das ‘tensões geopolíticas’, em particular na Ucrânia e no Oriente Médio, e ao risco de desestabilização dos mercados financeiros.

Após os acordos fechados na reunião do G20, Lagarde ressaltou que o próximo passo deve ser a implementação de todas estas medidas para o que ofereceu a cooperação do FMI.